Évora Shopping pediu um logótipo por 500 euros e os internautas reagiram

André Rabanea, director criativo da Torke CC, avançou com 64 propostas... carregadas de sarcasmo.

Concursos de criatividade, mais um concurso de criatividade. Desta vez é o Évora Shopping a recorrer a este modelo duvidoso de contratação profissional e, logo, para desenhar a sua identidade. Num concurso promovido pela direção de marketing da Ares Capital, responsável por este novo centro comercial, são prometidos 500 euros de remuneração em vales de compras no shopping para o vencedor e dois prémios homólogos, de menor valor, para o 2º e 3º classificados. Mas a iniciativa está a chocar a comunidade criativa – e não só –, que não tardou em responder.

Na base da polémica e para um correcto entendimento deste assunto estão dois pontos essenciais que há muito se têm debatido no seio da comunidade. Numa área em que grande parte dos profissionais trabalham por conta própria e em projectos incertos emerge a reivindicação de que este tipo de solicitação pública é uma prática de mercado desleal, colocando em competição aberta dezenas de designers que na sua maioria não serão remunerados. Por outro lado, surge o argumento, logicamente mais discutível, de que o valor é demasiado baixo para o tipo de trabalho pedido.

Uma das primeiras entidades a reagir foi a conhecida plataforma Ganhem Vergonha e, a partir daí, o caso ganhou uma maior dimensão assente nos argumentos apresentados por esta página de defesa dos trabalhadores. O desajuste entre o investimento feito no centro comercial (35 milhões) e o investimento feito por este numa área de referência do sector, como o design, deixa claros os contrastes sob os quais designers e criativos não deixaram de se pronunciar.

Na plataforma GANHEM VERGONHA já falámos diversas vezes em casos de trabalho especulativo. Aqui está mais um exemplo.O…

Publicado por GANHEM VERGONHA em Terça-feira, 5 de Setembro de 2017

O concurso que, para além das críticas já apontadas peca pelo curto prazo estipulado (para a criação de um projecto de identidade de marca), decorre entre os dias 4 e 10 de Setembro com o objectivo de “seleccionar os logótipos de identificação institucional, que serão utilizados nos seus documentos administrativos, formulários e materiais de divulgação, sendo também aplicado no desenvolvimento de projectos e iniciativas levadas a efeito no âmbito de diferentes intervenções, como sejam páginas web, produtos multimédia e outros suportes”.

Alguns criativos já deixaram as suas propostas. Frederico Roberto, director criativo actualmente a trabalhar na agência VML, em Londres, deixa uma sugestão técnica:

Sugestāo: Toda a santa alma a enviar coisas feitas no PAINT, para ver se aprendem. /facepalm

Publicado por Frederico Roberto em Quarta-feira, 6 de Setembro de 2017

André Rabanea, Chairman e Co-fundador da Torke+CC, vai mais longe, partilhando 64 propostas:

Segue minhas 64 propostas de logo para o concurso. Foi o que consegui fazer de acordo com o orçamento. 🙂

Publicado por Andre Rabanea em Quarta-feira, 6 de Setembro de 2017

O regulamento do concurso estipula que os trabalhos serão avaliados por um júri de especialistas da área, nomeado pela empresa e posteriormente sujeito a escrutínio público dos seguidores da página de Facebook Amigos do Évora Shopping, cenário que levanta novas questões, por exemplo, sobre a presença de profissionais creditados do sector no júri da competição.

O centro comercial tem inauguração marcada para o dia 16 de Novembro, com a representação como FNAC, Perfumes & Companhia, Tiffosi, Multiópticas, Springfield, Women’Secret, McDonald’s, para além de um Jumbo e dos Cinemas NOS. Em resposta à polémica, a página Amigos do Évora Shopping, alegadamente gerida pela mesma Ares Capital, deixou apenas a nota de que “cada um é livre de concorrer ou não”, negando qualquer rectificação ou justificação mais detalhada.