Passeia em Marte sem saíres do sofá

Explora o planeta vermelho como se fosse a tua cidade, com a ajuda da NASA e da Google.

A NASA e a Google juntaram-se para te oferecer uma verdadeira viagem de exploração espacial, sem teres que te preocupar com aquelas coisas chatas de teres que vestir um fato de astronauta ou viajar durante meses numa nave onde tens que te agarrar à cadeira para não levantares voo. O projecto Access Mars foi lançado na quinta-feira e a tecnologia transporta-te para qualquer ponto do planeta vermelho, virtual e gratuitamente. As imagens da superfície são da autoria do rover Curiosity, da NASA. Foram usadas várias fotografias para criar um modelo 3D do planeta, uma ferramenta que, de acordo com as entidades envolvidas no projecto, é única e pode vir a ser essencial para o planeamento de futuras missões.

Assim que entras no site, és recebido por uma breve introdução sobre o lançamento deste pequeno veículo, do tamanho de um carro, ocorrido a 26 de Novembro de 2011. Oito meses e perto de 600 milhões de quilómetros depois, o Curiosity aterrou e começou uma das viagens mais impressionantes da ciência recente, que tenta perceber se é ou não possível haver vida em Marte.

Passada essa fase, és apresentado à Katie, investigadora no projecto que estuda a viagem do Curiosity, e que te guia nesta tour. Percebes de imediato que o Access Mars permite andar pelo terreno em 360 graus e que podes ir ouvindo dicas para ficares a conhecer mais sobre as características e história do planeta e sobre o Curiosity e o seu funcionamento.

A semelhança da navegação com a do Street View da Google Maps torna fácil perceber onde é que a gigante tecnológica ajudou. É como se tivesses a explorar o teu bairro, com a diferença que não há prédios nem pessoas, só vês um terreno árido e ouves a força do vento contrastante com o silêncio aterrador de um espaço por civilizar. O som foi, aliás, também captado pelo Curiosity para tornar a experiência o mais realista possível.

Se és fascinado pela ideia de que um dia os humanos vão poder pisar (e até, quem sabe, viver) noutros planetas, esta é uma boa forma de perceberes melhor os desafios que homens e mulheres vão enfrentar, quando (e se!) esse dia chegar.