A popularidade digital pode ser uma armadilha

'I Know You From Somewhere' são 14 minutos de uma narrativa bem ao estilo Black Mirror.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Se no reinado do YouTube quem manda são as tendências e os virais, no Vimeo, o sistema político continua diferente e o conteúdo continua a ser rei.

O que pode parecer uma simples diferença de gestão da plataforma revela-se na dimensão que diferencia dois universos e o que lá vamos fazer. Se no caso do YouTube vamos em pés de lã, entre tendências, procurar o que nos interessa do ritmo de uploads alucinante, no caso do Vimeo geralmente entregamo-nos à descoberta e as expectativas raramente são defraudadas. Para nos guiar a viagem nada melhor que os destaques escolhidos a dedo pela equipa de gestão do site. É nos Vimeo Staff Pick que sem nos apercebermos, regularmente, estreiam algumas das peças audiovisuais mais disruptivas da Internet.

O privilégio da plataforma ao factor qualitativo torna-a preferida dos produtores e uma escolha natural para estreias digitais depois do circuito de festival. É o caso da curta que te falamos hoje, I Know You From Somewhere, um trabalho de Andrew Fitzgerald que teve a sua estreia mundial no festival Sundance e agora emerge na internet.

São 14 minutos de uma narrativa ao estilo Black Mirror onde a acção se condensa para caber no formato reduzido. I Know You From Somewhere acompanha a história de uma novata nos social media que rapidamente se torna sensação pelos piores motivos. Impulsionado por um mal entendido que se torna viral, esta curta desafia-nos a alargar a forma como olhamos para os social media e o que por lá vemos, evidenciando a distância que pode ir entre a realidade e a representação.

Este não é o primeiro trabalho de Fitzgerald a merecer atenção. O jovem filmmaker que profissionalmente trabalha como editor no canal Adult Swim já antes tinha assinado Strange Men, uma curta com uma distribuição semelhante e que lhe valeu menção em algumas revistas da especialidade.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!