Escolas dinamarquesas podem vir a ter acesso aos PCs dos alunos

A proposta procura dificultar as estratégias de cábula em ambiente de exame.

Hoje em dia, os computadores são parte essencial para a vida de qualquer jovem, nos mais diversos âmbitos, nomeadamente na vida escolar, onde, apesar de tudo, pode ser utilizado ​​para fins menos honestos. É por essas e por outras que surgem medidas que visam restringir o uso de gadgets em ambiente escolar e um dos últimos casos chega-nos do norte da Europa.

Os estudantes dinamarqueses não deverão ficar nada satisfeitos com as novas regras para a realização de exames e apresentações no seu país. Segundo o site de noticias dinamarquês DR, a ministra da Educação, Merete Riisager, propôs uma nova lei, que incentiva os alunos a conceder à escola e aos professores acesso aos seus computadores portáteis e tablets, em detrimento da sua privacidade pessoal e online.

A proposta procura dificultar as estratégias de cópia em ambiente de exame. Entre outras coisas, estipula-se que os examinadores possam, quando necessário, inspecionar o conteúdo dos computadores dos alunos, os materiais usados, o seu registo de actividade online e, até, as suas redes sociais.

A parte mais irónica desta proposta é que as escolas, embora não tenham o direito de obrigar os alunos a facilitar o acesso, podem penalizar os alunos caso estes se recusem a cooperar. As penalizações podem variar entre uma detenção temporária do dispositivo por um dia e, em casos de extrema gravidade, a expulsão do aluno do estabelecimento de ensino que frequenta.

O documento ainda vai ser analisado mas poderá mesmo vir ser implementado, apesar de já ter recebido diversas críticas. O presidente da Danish High School Association, Jens Philip Yazdani, afirma que esta proposta invade o direito dos alunos à privacidade, sentimento apoiado pelo presidente da IT Political Association, Jesper Lund, e pelo professor de Direito Sten Schaumburg-Müller da Universidade do Sul da Dinamarca.