Kendrick Lamar ajoelha-se perante Colin Kaepernick

Em entrevista, o rapper norte-americano destaca a importância do protesto da estrela da NFL para as gerações futuras.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Kendrick Lamar sentou-se para uma entrevista com Zack O’Malley Greenburg, ao vivo, em Boston no passado dia 3 de Outubro a propósito da Under 30 Summit da Forbes, e aproveitou para deixar conselhos, partilhar memórias da sua infância e elogiar mais uma vez os protestos de Colin Kaepernick.

Kendrick focou-se desta vez na importância deste protesto para as gerações futuras, voltando a personalizar o protesto, que acabou por se tornar popular, e a focar o debate no que inicialmente movia Kaepernick. O jogador da NFL que se ajoelhou durante o hino nacional como um protesto contra a brutalidade policial no ano passado está actualmente sem clube depois de um final de temporada polémico especialmente marcado pelo seu gesto. É aí que Kendrick foca desta vez a sua mensagem: “Ele quer defender algo. Simples como isso. Não pensas no momento, se vai funcionar ou não. Tu olhas  para o que a próxima geração vai receber”.

Esta não é a primeira vez que Lamar menciona Kaepernick, já o tinha feito na colaboração com Mary J. Blige American Skin (41 Shots): “yellow tape tied around the street/ Colin Kaepernick was more than worthy.”. Agora, no momento atribulado da carreira do atleta, o rapper reforça o seu apoio.

Noutros temas, Kendrick falou sobre quanto acreditava que a sua carreira um dia explodiria, partilhando com a audiência alguns conselhos do seu mentor, Dr. Dre. “Continua a trabalhar, vais cometer erros ao longo do caminho, mas tens que fazer perguntas”, terá dito um dia o consagrado rapper e produtor de Compton. K-dot fez ainda referência à importância do respeito pela cultura hip hop e apontou algumas suas primeiras influências musicais, como Big Daddy Kane, X Clan ou Afrika Bambaataa, recordando um peculiar momento em que o seu pai ouvia Kane enquanto o levava para casa do hospital.

Podes assistir à entrevista completa de Kendrick Lamar no vídeo abaixo.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!