Testa a segurança e a performance do teu site com esta ferramenta

Uma oferta da Microsoft como prova do seu compromisso com a filosofia de código aberto.

Acabas de fazer um site, está finalmente tudo no sítio mas demora um bocado demais a carregar. Será da tua ligação ou do código martelado a ocupar uma loucura de largura de banda? E quanto à segurança, será que trancaste todas as backdoors? Se és programador ou te aventuras no código, é provável que nenhuma destas questões te soe estranho. Pelo contrário, fazem parte da fase final do processo e de uma correcta manutenção de um website.

Foi a pensar nisso que a Microsoft criou e agora disponibilizou gratuitamente o Sonar, uma ferramenta de código aberto que pode ser utilizada por qualquer um e que avalia um website segundo cinco grandes grupos de critérios: acessibilidade, interoperabilidade, performance, PWA’s e segurança (tudo dividido em parâmetros que podes conhecer aqui).

A mecânica de teste é simples e acessível: basta aceder ao site da ferramenta e colar o link da propriedade que se pretende testar. Os resultados são entregues sob forma de um relatório, no qual estão destacados os excertos de código que representam cada erro detectado.

Segundo um responsável da Microsoft, o Sonar destaca-se por não fazer uma análise estática do site, mas sim uma análise detalhada do código. Além disso e, por se tratar de uma aplicação de código aberto, espera-se que mais funcionalidades possam integrar o serviço em breve, desenvolvidas pela comunidade.

O produto que agora se torna gratuito tinha, no princípio do Verão, sido simbolicamente oferecida pela tecnológica norte-americana à JS Foundation, como sinal do compromisso da Microsoft para com a filosofia de código aberto. Agora é dado mais um passo importante nesse sentido.

Se quiseres apenas ter uma ideia de como funciona o Sonar, podes espreitar o relatório do Sonar sobre o seu próprio site aqui. Caso experimentes com o teu site, não estranhes se a análise demorar, uma vez que a novidade da ferramenta pode estar a causa um fluxo de tráfego anormal dificultando o processamento de todos os scans.