Juntou a psicologia à economia e isso valeu-lhe o Nobel

Richard Thaler tem 72 anos, é americano e professor na Universidade de Chicago. É especialista em economia comportamental.

Tem 72 anos, é americano e professor na Universidade de Chicago. O que o torna excepcional é o facto de ser um dos pioneiros e especialistas em economia comportamental, a área de investigação onde são aplicadas noções de psicologia à análise de decisões económicas. “Uma perspectiva comportamental incorpora uma análise mais realista sobre como as pessoas pensam e se comportam quando tomam decisões económicas, oferecendo novas oportunidades para desenhar medidas e instituições que aumentem o benefício para a sociedade.” como sintetiza a nota da Real Academia Sueca das Ciências.

Richard Thaler é autor de best-sellers sobre ciências do comportamento, nomeadamente “Nudge” (em co-autoria com Cass Sustein), de 2008, e “Misbehaving”, de 2015, bem como de vários artigos académicos sobre economia comportamental. Nas suas pesquisas focou-se particularmente em como motivar as pessoas para que façam um maior planeamento a longo prazo, como por exemplo, na poupança de pensões.

A sua investigação explica “como as pessoas simplificam a tomada de decisões financeiras criando contas separadas nas suas mentes, com foco no impacto de cada decisão individual e não o seu efeito geral”, nota a Real Academia Sueca das Ciências.

O comité do Nobel denominou-o como um pioneiro na aplicação da psicologia ao comportamento económico e em esclarecer sobre como as pessoas tomam decisões económicas, às vezes rejeitando a racionalidade. Salientam ainda, na nota que acompanha a revelação, que as ideias de Richard ajudaram as pessoas a reconhecer truques de marketing e evitar más decisões económicas.
Um dos juízes do Prémio Nobel, Per Stroemberg, acrescenta que o trabalho do professor Thaler explorou como a psicologia humana moldava as decisões económicas: “As descobertas de Richard Thaler inspiraram muitos outros investigadores a seguir os seus passos e abriram caminho para um novo campo de economia, a que chamamos de economia comportamental”.

Falando por telefone em reação ao prémio, o professor Thaler revela que: “Eu acho que o impacto mais importante é o reconhecimento de que os agentes económicos são humanos e os modelos económicos devem incorporar isso”. Na mesma conversa, questionado sobre como gastaria o dinheiro do prémio (cerca de 940 mil euros), respondeu com sentido de humor: “Esta é uma pergunta muito engraçada. Vou tentar gastá-lo tão irracionalmente quanto possível”.

Numa altura em que nem todas as relações são mediadas por dinheiro, Richard Thaler apresenta-nos uma visão nova e alternativa sobre a economia comportamental. Se ficaste com curiosidade sobre as suas ideias, no vídeo que se segue, Thaler fala sobre o seu último livro, descobertas no ramo da psicologia que vão incentivar comportamentos de mercado e sobre como a economia comportamental oferece novas maneiras de análise de toda a realidade envolvente – da gestão do orçamento familiar ao desenho de um produto.