As redes sociais tornaram-se uma ameaça directa à democracia

A perspectiva do criador do eBay, Pierre Omidyar.

Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Pierre Omidyar – criador do eBay e da First Look Media, grupo de media que se afirma como uma alternativa independente e que integra publicações como o The Intercept – publicou um artigo em que elenca 6 ideias sobre como as redes sociais se tornaram uma ameaça directa à democracia. Uma pequena reflexão sobre a internet e as suas consequências na sociedade.

“Por todas as vezes em que essa tecnologia [a internet] nos aproximou, a monetização e a manipulação de informação rapidamente nos afastam. De interferências estrangeiras nas nossas eleições a campanhas direccionadas para nós confundir ou nos dividir em relação a questões sociais importantes. Os grupos que procuram uma maneira efectiva de se infiltrar e de influenciar a nossa democracia encontraram generosos meios para tal no mundo das redes sociais”, escreve Pierre Omidyar no Washington Post, jornal cujo conselho editorial integra.

O fundador do eBay centra o seu texto no Facebook, mencionando que só recentemente a empresa terá tomado conta da responsabilidade social que, dado o seu peso, é obrigada a ter, prometendo mais transparência relativamente, por exemplo, à publicidade política que vende.

Pierre apresenta, um por um, os resultados de um estudo conduzido pelas equipas da Democracy Fund e da Omidyar Network, duas organizações que dirige, sobre a relação entre as redes sociais e a democracia. “O nosso desejo é que esta investigação sirva como ponto de partida para os líderes das redes sociais, legisladores, oficiais governamentais e outras partes interessadas aprofundem o impacto que esta tecnologia está a ter em nosso país e, em última instância, identificar soluções tangíveis”, escreve o executivo, lembrando que é um problema complexo que não consegue ser resolvido por uma única pessoa, empresa ou Governo. Tem de ser uma mudança conjunta, de todos.

Estas foram, então, as 6 principais conclusões do estudo:

1 – câmaras de eco, polarização e hiperpartidismo

De muitas formas, o design de certas plataformas sociais reflecte o crescente volume de conteúdos partidários nos canais tradicionais. À medida que se tornam o canal primário de distribuição, as redes sociais criam bolhas de informações e opiniões unilaterais, perpetuando visões tendenciosas e oportunidades decrescentes para discursos saudáveis.

2 – distribuição de informações falsas ou enganosas

Desinformação viral, muitas vezes rotulada como “fake news”, é difundida em todos os canais sociais, disseminada por actores estatais e privados. Essas informações falsas e distorcidas podem intensificar a divisão e tornar difícil para as pessoas confiar tanto no que lêem como sobre as pessoas e instituições sobre as quais estão a ler.

3 – conflito de popularidade e legitimidade

A ideia de que os gostos e retweets podem ser usados para medir a validade ou apoio da massa a um indivíduo, mensagem ou organização cria um sistema distorcido de avaliação de informações e fornece um falsa noção sobre a popularidade de determinados pontos de vista. Isso é agravado pelo quão desafiante pode ser distinguir as opiniões legitimamente expressas daquelas geradas por trolls e bots.

4 – manipulação política

Tais trolls e bots, disfarçados de cidadãos comuns, tornaram-se uma arma de eleição para governos e líderes políticos moldarem as conversas online. Governos da Turquia, China, Israel, Rússia e Reino Unido são conhecidos por terem contratado milhares de pessoas para gerirem múltiplas contas nas redes sociais  para mudar ou controlar a opinião pública.

5 – manipulação, micro-segmentação e mudança de comportamento

Anunciantes e os seus sofisticados mecanismos de segmentação impulsionam a economia da atenção. Nem todas essas mensagens têm o aspecto de anúncios ou são visíveis para qualquer pessoa fora do público-alvo, como foi o caso dos recentes anúncios patrocinados pela Rússia no Facebook e comprados durante a eleição dos EUA. Este modelo amplia o fosso entre editores e jornalistas e penaliza a receita e a sustentabilidade das organizações tradicionais de notícias, que carregam um grande poder.

6 – intolerância, exclusão e discurso de ódio

Várias políticas e funcionalidades destas plataformas podem amplificar o discurso de ódio, apelos terroristas, e assédio racial e sexual. Esses ambientes podem pode dissuadir aqueles que são visados pelo discurso de ódio de se envolverem nas conversas online.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.