Sabes como se diz Trump em checo?

Andrej Babis.

Babis Trump

No mês de Outubro, o Shifter salientou o paradigma da “Nova Europa”, onde os partidos de extrema direita com matrizes de actuação diversas começam a ganhar receptividade na hora da votação, voltando a assustar os responsáveis políticos do centro em particular e os cidadãos moderados em geral. Todavia, a “Nova Europa” faz-se também de outros fenómenos políticos que não podem deixar de ser percebidos.

A República Checa foi a votos na última semana e a Aliança dos Cidadãos Descontentes venceu as eleições com quase 30% dos votos, não obtendo desta forma a maioria absoluta no parlamento. Este partido político foi fundado em 2011 e é liderado por Andrej Babis, o segundo homem mais rico do país e ex-proprietário de um dos maiores grupos económicos nas áreas agro-alimentar, construção, energia e media da Republica Checa.

Há 6 anos, Babis fundou o ANO 2011 (Aliança dos Cidadãos Descontentes) com o intuito de combater a corrupção e o sistema político do país e nas eleições de 2013, o partido conseguiu 47 lugares no parlamento, valendo-lhe a entrada no governo dos sociais democratas checos, a pasta das Finanças e a gestão de outros ministérios como a Justiça, Transportes, Defesa ou Ambiente.

A relação entre o ministro das Finanças Babis e o Primeiro-Ministro Bohuslav Sobotka foi controversa ao longo destes quatros anos de governação. Este atrito resultava do mau estar que as políticas fiscais que o líder do ANO 2011 implementava e que alegadamente indiciavam uma política de favorecimento à Agrofert, o grande grupo económico do qual Babis foi dono até 2014. Esta paz podre teve um fim em Maio de 2017, quando Sobotka demitiu o seu ministro das Finanças. Além das suspeições de favorecimento político a uma empresa privada, Andrej Babis foi acusado judicialmente de receber subsídios comunitários de forma ilicita, após uma investigação de vários anos.

Várias publicações mundiais tratam Babis como o Donald Trump checo, associando o sucesso empresarial e a fortuna acumulada aos triunfos eleitorais mais recentes. Apesar da comparação feliz, não é descabido compará-lo de igual forma a Silvio Berlusconi, milionário e ex-primeiro ministro italiano que detinha instituições de media e diversas empresas do sector.

As eleições de Outubro de 2017 confirmaram que os cidadãos checos querem ver o milionário Babis à frente do país, colocando em prática algumas ideias populistas, eurocepticas e anti-emigração que declamou na campanha eleitoral. De salientar que o partido do ex-primeiro-ministro Sobotka ficou em 6º lugar, obtendo 15 lugares na nova composição parlamentar. Estes dados demonstram mais um caso de um país europeu em que existe a falência de um partido histórico do centro.

A vida de Babis não será fácil daqui para a frente. Os partidos políticos com potencial para uma coligação recusaram compor uma maioria que inclua o bilionário checo, levando a que o novo primeiro-ministro tenha de governar sob a égide de uma maioria relativa e com a necessidade de dependência dos outros partidos presentes no parlamento.