Supercomputador muda-se do Texas para o Minho, com escala nos Açores

Infraestrutura será instalada na Universidade do Minho e vai servir de centros de processamento de dados do AIR Center, que será instalado nos Açores.

Foto de: Universidade do Texas

No início de 2018, vai nascer um Centro de Computação Avançada (MAAC) na Universidade do Minho, no norte de Portugal, e contará com uma importante oferta da Universidade do Texas, nos Estados Unidos: um supercomputador.

Em comunicado, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) explica que esta infraestrutura conta com vinte bastidores da plataforma de computação avançada Stampede 1, cedidas à FCT pelo Centro de Computação Avançada do Texas”, o que permitirá desenvolver “novas áreas de computação em Portugal, assim como aplicações diversas de âmbito científico e empresarial em áreas que abrangem o clima, a segurança marítima, o apoio às pescas, a monitoração de padrões de mobilidade nas cidades, o estímulo da biodiversidade, a gestão do risco nas florestas e aplicações na saúde, incluindo bioinformática.

MAAC vai alimentar o AIR Center, nos Açores

Entre outras potenciais aplicações, este supercomputador será um dos centros de processamento de dados do novo Centro de Investigação Internacional do Atlântico (ou AIR Center), que será instalado nos Açores. Segundo a mesma nota da FCT, o MAAC servirá de base ao estabelecimento da AIR Center Data Intelligence Network, a desenvolver durante 2018 juntamente com a Universidade do Texas e o Barcelona Supercomputer Centre (BSC), entre outros parceiros. Esta rede irá “facilitar o desenvolvimento das ciências dos dados e aplicações à interação clima-oceanos”.

Em declarações à agência Lusa, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, apresenta a AIR Center como uma “instituição orientada essencialmente para as interações atlânticas, com uma agenda inovadora naquilo que é a integração das tecnologias do espaço, oceânicas e para o clima integrando a ciência da computação e no que hoje se chama a ciência dos dados”. Além de centros de investigação, universidades e institutos, há empresas portuguesas e estrangeiras envolvidas no AIR Center, como a Elecnor Deimos (Espanha), a Thales (França), a EDP Inovação (Portugal), a Lusospace (Portugal) e a Tekever (Portugal).

O ministro explicou que o AIR Center une nove países – Portugal, Espanha, Reino Unido, Nigéria, África do Sul, Cabo Verde e Angola, Brasil, Argentina e Uruguai –, reforçando que são “nove os países que acordaram fundar o AIR Center a que se juntam instituições científicas importantes”.

Apesar de a futura sede se localizar nos Açores, numa cidade ainda a escolher, o AIR Center funcionará em rede com centros de investigação e infraestruturas científicas espalhadas pelo mundo, em especial nos países fundadores. No arquipélago português, será construída uma base espacial para o lançamento de mini-satélites – o será provavelmente na ilha de Santa Maria, uma vez que já possui diversas infraestruturas de rastreio de satélites da Agência Espacial Europeia (ESA) e da NASA.

Portugal aposta na supercomputação

O supercomputador vai chegar dos Estados Unidos a Portugal através de um memorando de entendimento assinado este sábado, 25 de Novembro, entre a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), a Universidade do Texas, em Austin, e a Universidade do Minho.

A nova infraestrutura, propriedade da FCT, será instalada no primeiro trimestre de 2018 na Universidade do Minho, complementando os recursos já existentes nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo e do Centro. A sua operação será totalmente integrada nas redes nacional, europeia e internacional em modos de acesso totalmente abertos, facilitando a adoção da Estratégia Nacional de Ciência Aberta, explica ainda a FCT.