Vão deixar de existir fronteiras para transferências bancárias na Europa

Vais poder transferir dinheiro de Portugal para um amigo em Espanha de forma instânea e gratuita.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

A partir desta terça-feira, 21 de Novembro, é possível fazer transferências bancárias entre 8 países europeus em apenas 10 segundos e de forma gratuita. As operações estarão limitadas a um máximo de 15 mil euros e vão ser possíveis a partir do segundo trimestre de 2018 em Portugal.

Para já, podes transferir dinheiro em tempo real e sem pagar mais por isso nestes países: Espanha, Alemanha, Itália, Áustria, Estónia, Letónia, Holanda, Finlândia e Lituânia. As novas condições serão alargadas até Novembro do próximo ano a todos os membros da Área Única de Pagamentos em Euros (SEPA), que engloba os 28 países da União Europeia mas também países como a Suíça ou a Noruega.

As transferências instantâneas serão possíveis graças ao TIPS (Target Instant Payment Settlement), um novo sistema que o Banco Central Europeu (BCE) está a implementar e que promete o dinheiro esteja disponível na conta de qualquer pessoa ou empresa em apenas 10 ou 20 segundos. O TIPS permitirá aos cidadãos e às empresas efectuar pagamentos através do seu banco, em qualquer ponto da área do euro numa questão de segundos, contribuindo para aprofundar a integração da área do euro, explica o BCE.

O sistema evita intermediários e estará disponível 24 horas por dia, 365 dias por ano. A adesão do TIPS não é obrigatória por parte da instituições bancárias, pelo que cabe a cada banco decidir se adere ou não ao novo sistema. Até ao momento, 585 bancos de 9 países já aderiram.

Os pagamentos internacionais serão inicialmente gratuitos; e terão um custo máximo para os bancos de 0,20 cêntimos por operação, pelo menos durante os primeiros dois anos de funcionamento.

Hoje, movimentar dinheiro entre fronteiras pode demorar um dia ou bem mais. As criptomoedas têm sido apontadas como uma solução para evitar estas limitações geográficas, pelo que esta iniciativa do BCE parece uma clara resposta a esse desenvolvimento tecnológico.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!