Um motivo para deixarmos de ver Big Bang Theory?

Teoria defende que sitcom norte-americana promove a misoginia, isto é, uma aversão às mulheres.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Vai actualmente na 11ª temporada, que pode ser vista em Portugal no canal AXN White, e é actualmente a mais antiga sitcom norte-americana ainda em exibição. Mas, apesar do seu estrondoso sucesso e das comparações a outras séries de comédia do mesmo género, como Friends ou How I Met Your Mother, Big Bang Theory promove uma aversão ao sexo feminino (misoginia) através da sua construção de piadas por parte dos argumentistas da série, da caracterização das personagens e dos seus respectivos diálogos.

A teoria é, pelo menos defendida, num vídeo no canal de YouTube Pop Culture Detective (que, caso queiras, podes apoiar via Patreon). O criador e narrador do vídeo, Jonathan McIntosh, argumenta – ao longo de 20 minutos – que os quatro protagonistas masculinos de Big Bang Theory são a “encarnação perfeita” de uma misoginia “estranhamente adorável”.

Jonathan defende que a personalidade geek e nerd destes indivíduos, retratada de forma patética e ao mesmo tempo enternecedora, quase serve como desculpa para os seus comentários sexistas, do ponto de vista feminino, passarem pelo escrutínio dos telespectadores – eles são, no fundo, perdoados porque o que dizem e fazem está envolto num tom humorístico e irónico. “Estas personagens são mostradas numa variedade de comportamentos de assédio permitido e de sexismo em relação às mulheres. Constantemente perseguem, espiam, metem e tentam manipular mulheres nas suas vidas. São arrogantes, recusam a aceitar um ‘não’ como resposta, e muitas vezes ignoram os princípios básicos do consentimento”, explica.

“Esta misoginia estranhamente adorável é apresentada apenas como mais uma peculiaridade de uma personalidade socialmente estranha”, diz Jonathan, “como algo que talvez seja merecedor de um rolar de olhos ou de um olhar exasperado, ou talvez de uma censura leve, mas nunca como algo para levar a sério ou seriamente questionável”.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!