Calm no topo das aplicações mais procuradas

A subida da Calm até ao primeiro lugar do topo pode ser ilustrativo de uma espécie de fuga dos utiizadores comuns, ansiosos por recuperar o controlo pelo seu ritmo.

O mês de Dezembro é por tradição altura de fazer contas ao ano; recolher dados, reflectir sobre tendências e… fazer tops. A quantificação da internet em likes, shares e downloads torna tudo mais fácil nesse aspecto e embora possa tornar os insights menos valiosos do ponto de vista qualitativo, dá-nos uma ideia das tendências globais.

Para a Apple e no que concerne à App Store, não há grandes dúvidas sobre o motto que marcou 2017: da realidade aumentada à mindfulness.

Por um lado é notória a preponderância da introdução da nova framework da Apple, ARKit, no surgimento de apps que exploram a realidade aumentada como, por exemplo, a do IKEA. Por outro, parece aumentar a necessidade – ou a consciência – de calma, revelada pelo surgimento de várias apps do género nas principais listas de downloads.

A App mais descarregada da loja de aplicações da Apple engloba-se mesmo neste segundo segmento. A Calm é uma aplicação que promete reduzir a ansiedade o stress causados pelo estilo de vida cada vez mais acelerado, promovido também pela crescente introdução de gadgets e ecrãs no nosso quotidiano.

Se as restantes presenças na lista não são grande surpresa: jogos, aplicações de fotografia, pequenas aplicações promovidas em acções de marketing, o surgimento desta aplicação relaxante é um bom indicio do princípio de viragem deste sector onde prolifera o mindset contrário.

Muitos são os estudos que apontam a relação entre a proliferação da white light e da atitude always-on como potenciadores do stress, muitas são as evidências de que a maioria das aplicações são desenhadas para criar adição psicológica nos utilizadores e a subida da Calm até ao primeiro lugar do topo pode ser ilustrativo de uma espécie de fuga dos utilizadores comuns, ansiosos por recuperar o controlo pelo seu ritmo.