‘O Pior Disco do Ano’ é do brasileiro Froid

Uma aula de filosofia contemporânea protagonizada por Froid, adornada por complexas e poderosas metáforas espalhadas pelas 12 faixas.

Froid
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

O rapper brasileiro Froid, membro do grupo UBR, lançou na passada sexta-feira o seu primeiro álbum de originais. O Pior Disco do Ano é uma aula de filosofia da vida adornada com complexas e poderosas metáforas espalhadas pelas 12 faixas. O tom irónico, o sarcasmo e a descrença em relação a alguns fenómenos da actualidade tornam Froid numa espécie de profeta de era moderna, em que a verdade está diante dos nossos olhos – basta reflectir sobre a nossa constante predisposição para a negação dos próprios factos.

Esta paradoxal descrença reflete-se no título do próprio disco – um tom irónico e provocador introduz um álbum bem a tempo das típicas e por vezes aborrecidas listas de melhores do ano.

Em entrevista à Redbull Froid justifica a escolha deste título com os constantes rótulos para melhor álbum, som, videoclipe, melhor qualquer coisa. Procura deste modo fugir ao politicamente correto contudo afirma não se querer debruçar muito sobre a escolha do título para não limitar a interpretação do ouvinte –  É uma brincadeira na real, que o pior tem um duplo sentido muito legal e dá essa sensação de que a gente está fugindo do tradicional, do bonzinho, entende? A gente não quer ser o melhor, a gente mesmo se entitula de pior para não ter nem que competir com nada. Uma visão mais ou menos assim. Eu não queria falar muito sobre isso para também não limitar a interpretação da pessoa sobre o pior disco.

Froid O Pior Disco do Ano

É impossível não “violar o botão replay”; não só pela complexidade das letras que exigem sucessivas audições até ao pleno reconhecimento da mensagem, como pela sonoridade, reflexo de uma mixórdia de influências que resultam no Pior Disco do AnoNão é um disco de ad-libs nem barras catchy, porém a musicalidade é viciante, resultado da simplicidade dos samples utilizados.

Através de flow melódico, único no panorama musical brasileiro, Froid apresenta uma série de temas altruístas, onde a reflexão surge como primeiro passo para o bom desempenho de qualquer acção humana. O Pior Disco do Ano, foi produzido na Novo Egito, conta com as participações de Rodrigo Cartier, Nissin, BK’, Cynthia Luz, Makalister e Pedro Qual (Haikaiss) e instrumentais do Mestre Xim, MLima, LK (3030) e do próprio Froid.

Podes ouvir O Pior Disco do Ano abaixo.

O Pior Disco do Ano (Tracklist)

  1. Cê Sabe Quem
  2. Fran’s Café
  3. SK8 do Matheus (Ft. Rodrigo Cartier)
  4. Cortina de Fumaça (Ft. Nissin & Rodrigo Cartier)
  5. Vida Loka Parte 3 (Ft. Bk’ (Nectar) & Rodrigo Cartier)
  6. Lamentável Pt. III (Ft. Cynthia Luz)
  7. Déjà-Vu (Ft. Makalister)
  8. Negro É Foda
  9. Original Rudeboy
  10. Debate Sobre a Erva (Ft. Qualy)
  11. Debate Sobre a Indústria
  12. Chuva
O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!