Governo de Israel quer dar o nome de Trump a estação de comboio

A estação Trump ficará junto ao Muro Ocidental, epicentro do conflito israelo-palestiniano.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

O ministro dos Transportes de Israel, Yisrael Katz, está a promover um polémico projecto de construção de um túnel que passa por baixo da Cidade Velha de Jerusalém e que terminará junto ao Muro Ocidental, numa estação que será baptizada com o nome de Donald Trump, Presidente dos EUA.

A notícia está a ser avançada pela agência norte-americana Associated Press (AP). Trump anunciou no início de Dezembro, que os EUA reconhecem Jerusalém como capital de Israel, uma decisão que incendiou o Médio Oriente e levou a ONU a reprovar a iniciativa norte-americana, tendo em conta que Jerusalém é um local sagrado para judeus, cristãos e muçulmanos.

O projecto do túnel encontra-se ainda numa fase embrionária, segundo a AP. A concretizar-se, envolve a construção de duas estações subterrâneas e a construção de um túnel de três quilómetros de extensão, escavado na Baixa de Jerusalém e passando por baixo da zona da Cidade Velha, politicamente muito sensível. O projecto permitiria estender a linha ferroviária de alta velocidade de Jerusalém, cuja abertura está prevista para breve, ligando Telavive ao Muro Ocidental, o local mais sagrado para judeus, que lhe chamam Muro das Lamentações.

O trajecto proposto desenvolve-se nas imediações da Basílica do Santo Sepulcro, evitando ter de passar por baixo deste local, considerado o mais sagrado para os cristãos. A linha passaria também perto de outro local sagrado para judeus e muçulmanos – o complexo do Monte do Templo, importante para os judeus; e a Esplanada das Mesquitas, zona sagrada para muçulmanos.

Segundo a AP, Katz justificou este projecto dizendo que permitiria aos visitantes de Jerusalém chegarem “ao coração do povo judeu – o Muro das Lamentações e o Monte do Tempo”, tendo proposto dar o nome de Trump a uma estação por causa da “corajosa e histórica decisão de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel”, anunciada pelo Presidente dos EUA.

O projecto vai custar mais de 700 milhões de dólares e vai demorar quatro anos a ser construído, caso venha a ser aprovado.

A Associated Press sublinha que é provável que o projecto venha a ser contestado pela “comunidade internacional”, que não reconhece a soberania de Israel sobre Jerusalém Ocidental.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!