Polónia é neste momento o país mais irrespirável da Europa

Com 33 das 50 cidades com o ar mais poluído.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Volta o Inverno e com ele a condensação de poeiras no ar – o nevoeiro. Embora associemos geralmente este fenómeno a algo puramente natural, não o é, como por estes dias se testemunha na Polónia e comprovam os dados estatísticos.

E porquê isolar a Polónia? Ao contrário do que os nossos preconceitos pudessem indicar e da ideia feita de que os países com piores níveis de poluição são os mais desenvolvidos e cosmopolitas, a Polónia é um caso sério no meio da Europa.

Com as temperaturas baixas que se fazem sentir no país e as, ainda, parcas condições de habitação, o carvão é um elemento central do quotidiano polaco, utilizado para aquecer casas, e faz com que, das 50 cidades com o ar mais poluído da Europa, a Polónia contabilize 33.

O sul da Polónia é o mais afectado e mesmo sem ver as fronteiras, olhando para o mapa europeu da qualidade do ar é fácil perceber a discrepância da concentração de bolas vermelhas.

O caso é grave a vários níveis – macro-ambiental incluído – mas é na vida diária das pessoas que se teme que possa ter as consequências mais severas a curto prazo. A respiração deste fumo pode estar na origem de uma percentagem considerável dos cancros diagnosticados no país. Embora não haja dados que o confirmem, especialistas como Marcin Hetnal, do Centro de Raiologia de Kraków, são peremptórios a levantar essa possibilidade.

Em contraponto, e na tentativa de responder a este verdadeiro flagêlo, os políticos polacos têm tomado algumas medidas, as últimas implementadas pelo Primeiro-Ministro, Mateusz Morawieck. Desde há dois anos para cá, são as autoridades regionais a controlar o material combustível usado em casas particulares.

A título de curiosidade e por interesse local, a análise dos mesmos dados em Portugal revela uma perspectiva bem mais positiva. Apesar de a recolha de dados não ser extensiva ao longo do país, os pontos de informação marcadas ao longo da costa dão conta de um ar numa condição bastante aceitável, embora não correspondente ao primeiro nível da escala.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!