Verão Danado: o filme que nos toca a todos e nasceu da vontade de um jovem

Filme de Pedro Cabeleira, que foi merecedor de uma menção especial no festival de Locarno, estreia nas salas e na internet.

 

Enquanto chegava à sala do El Corte Inglés, pesquisei no telemóvel mais informação sobre o filme que me tinham convidado a ver. Afinal de contas, isto do cinema de autor não é só para cinéfilos e um trabalho sobre a nossa geração, produzida por quem tem apenas mais um ano que eu, já tinha sido apelo mais do que suficiente para fazer a escolha de ir espreitá-lo.

Pedro Cabeleira, 25 anos, fez este filme entre amigos, com os recursos que conseguiu arranjar e muita vontade de produzir uma longa metragem – li pelo caminho. Verão Danado segue vários jovens durante um Verão pelo qual muitos de nós já passámos ou vamos passar: Verão das incertezas, depois da faculdade, em que não se sabe o que vem depois. É também um Verão em que se dá a última volta pela vida boémia da faculdade, uma espécie de “despedida de solteiro” desses tempos. Um Verão danado a acabar.

As incertezas aparecem ao longo do Verão Danado de Pedro Cabeleira e começam pelas de Chico, personagem principal na qual a câmara se centra a maior parte das vezes, seguindo-o desde a terra dos avós até um after em Lisboa, passando por jantares e festas intercalares. Vamos conhecendo este Chico através dos seus amigos, dos desconhecidos que momentaneamente conhece e das conversas que todos têm, com a câmara a mostrar quase sempre os rostos dos intervenientes, ao estilo de um Juste La Fin Du Monde de Xavier Dolan. A narrativa é mais uma sequência de episódios soltos que Pedro Cabeleira decidiu encadear para retratar o Verão danado de Chico. Não existe propriamente uma história, sendo este quase um drama-documental de noitadas de álcool, charros, MD, amores (ilusões) e desilusões.

Sinopse: estamos no princípio do Verão e Chico acabou a faculdade. Sem grandes perspectivas e com as férias por diante, começam as brincadeiras, os jantares, as festas e as noitadas. A música acompanha Chico nestas tardes de ócio, drogas, desilusões amorosas e momentos psicadélicos. Verão Danado é um ímpeto de adrenalina com Lisboa como pano de fundo de uma juventude à deriva.

Verão Danado foi a primeira longa-metragem para que Pedro Cabeleira se atirou e resultou um bom mergulho. O filme mereceu uma menção especial do júri do conceituado festival de cinema de Locarno, antes de chegar a Portugal. Está em exibição em algumas cidades, nomeadamente em Lisboa (Nimas e El Corte Inglés) e Porto (Trindade e Arrábida); chegará a todo o território nacional através da plataforma de streaming de cinema independente e de autor Filmin.

O realizador já disse que Verão Danado não pretende ser um retrato geracional, mas antes um registo espontâneo e sincero de um ambiente que ele também experienciou. Pedro, que assina também o argumento, começou a trabalhar no filme aos 21 anos, depois de terminar o curso de realização na Escola Superior de Teatro e Cinema. Juntou os meios que tinha, material emprestado e a vontade dos amigos – são boa parte dos 150 actores neste filme.. Verão Danado chega-nos através da produtora Videolotion, que ele mesmo fundou. Pedro queria mesmo fazer um filme e fê-lo.

A Direção de Fotografia é de Leonor Teles, Urso de Ouro no festival de Berlim; e a banda sonora percorre temas comuns a esta geração, de Éme, Pega Monstro, Rafael Toral, Nigga Fox, António Variações, etc.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.