Se o rap já não te faz efeito, experimenta Enigmacru

Um disco merecedor de um lugar à cabeceira e que exige uma escuta quase diária para boa assimilação da mensagem.

O álbum chegou no princípio de 2017 e agarrou de imediato quem já sentia falta da lírica portuense no seu estado mais puro. Each e Chek, que juntos assinam como Enigmacru voltaram sorrateiramente às edições ao longo de 2017 mas fizeram-no com 8 faixas tão densas que roubam as palavras a quem queira escrever sobre elas.

A abrir 2018 juntam aos temas um videoclipe, neste caso baseado na faixa “Triticum”. Uma obra que, tal como o álbum, fala por si – como um selo para a viagem em que os Enigmacru querem levar os ouvintes.

Imagens reais e distorções do movimento são como metáforas para os pesos que equilibram a balança entre o real e o criativo, o marginal e o erudito ou o simples e o complexo, que os EnigmaCru condensaram no seu registo de estúdio.

Emperfeito Equilíbrio é um álbum curto mas não pequeno, caracterizando-se sobretudo pela consistência na entrega quase visceral dos rappers. A lírica parece, pela sua simplicidade, criação de improviso e, pela abrangência do seu sentido, fruto de um longo processo de maturação.

Membros do colectivo portuense, Sexto Sentido, Each e Chek dispensam apresentações para os mais batidos da cultura e apresentam-se como verdadeiros representantes do espírito old school para os estreantes. Beats simples, letras como socos e o som do scratch são alguns dos elementos que compõe a tríade essencial de criação.

A adensar a mensagem e tornar todo o disco especialmente interessante do ponto de vista da conteúdo, o duo portuense fez questão de manter a distância às tendências de mensagem ou sonoridade actual. Não há ad libs ou outros trejeitos que só sirvam para entreter, nem tão pouco glorificação da decadência. Em vez disso, há sentido crítico q.b. e pensamento reflexivo para dar e vender – a fazer lembrar outros nomes do norte e das mesmas andanças como Keso, Virtus ou Minus.

São cordas que interagem umas com as outras ligadas como os objectos e as pessoas. As consequências já existem antes das escolhas, as influências agem quase aleatoriamente. As sequências são apenas referências, inerências, existem todas simultaneamente. Momentos podem ser tão irregulares como o espaço. Sítios podem ser tão relativos como tempo.

Emperfeito Equilíbrio foi praticamente todo escrito e produzido por Each e Check, a quem pontualmente se juntaram colaborações de instrumentais e Dj Crava nos scratches. Virtus assina a produção de um dos temas e nas rimas os únicos convidados são Myka e Fokus.

Apesar da notabilidade mais do que ser merecedor de lugar em tops, Emperfeito Equílibrio é merecedor de um lugar à cabeceira e exige uma escuta quase diária para boa assimilação da mensagem. À imagem de registos como os de Keso ou Nerve, Each e Check trazem uma perspectiva social holística, deixando de lado as intrigas típicas do rap.

Passam a noites e as noites passam a dias, como consequência da temperatura as pessoas ficam frias. As praias mais vazias. Cidades mais compridas, menos limpas, ainda assim mais evoluídas. Construídas, sobre raízes com traços simétricos. Pomos mais sementes na terra e florescem mais prédios. Imagino-nos rodeados por jardins sintéticos, deitados junto às árvores com máscaras de oxigénio. Até que o mar engula e vomite casas destruídas!

O vídeo, esse, teve a realização de Pedro Santasmarinas e a colaboração de Amadeu Pena da Silva e André Dias.