EUA fora do top 10 dos países mais inovadores. Portugal em 30º

Portugal em 30º na lista de países mais inovadores da Bloomberg.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

seis anos que a Bloomberg compila a lista anual dos países mais inovadores e, pela primeira vez, os Estados Unidos (que têm, por exemplo, Silicon Valley) não integram os 10 primeiros lugares. Coreia do Sul, Suécia e Singapura são os três países no topo do índice de inovação 2018 da Bloomberg. Portugal surge na 30ª posição, logo atrás da vizinha Espanha.

A Bloomberg, conceituada revista norte-americana de economia, analisa a inovação mundial à luz de sete critérios: investimento em investigação e desenvolvimento, valor acrescentado da indústria, produtividade, concentração de empresas de tecnologia de ponta, eficiência da educação/qualificação da força de trabalho, concentração de investigadores e registo de patentes.

Segundo este índice, os Estados Unidos caíram da 9ª para a 11ª posição, devido à diminuição da força de trabalho qualificada e do valor acrescentado da indústria, que diz respeito à diferença entre o valor actual de uma empresa no mercado e o seu valor percepcionado pelos investidores.

Contactado pela Bloomberg, Robert D. Atkinson, presidente da Information Technology & Innovation Foundation, sediada em Washington, D.C, refere não existirem evidências de que esta tendência de queda irá continuar, lembrando que outras nações responderam com políticas de inovação inteligentes e bem financiadas, como melhores incentivos fiscais ao nível de investigação e desenvolvimento, mais investimento governamental para investigação, mais investimento para iniciativas de comercialização de tecnologia”.

Portugal ocupa a 30ª posição, tendo subido um degrau relativamente ao ano passado, numa escala que inclui 50 países. Está acima de países como Grécia e Estónia e um ponto abaixo de Espanha. Está também abaixo da Singapura, que, aliás, ocupa a 3ª posição, à frente de economias europeias como a Alemanha (4ª posição), Suíça (5ª posição) e Finlândia (7ª posição) – a aposta na educação, com o aumento de cientistas, técnicos, engenheiros e outros profissionais qualificados, explicam, segundo a Bloomberg, esta valorização.

A Coreia do Sul, na 1ª posição, tem como grande trunfo empresas como a Samsung, a empresa mais valiosa do país em termos de capitalização de mercado. Já o Japão, que tem empresas como a Sony ou a Toyota, ocupa a 6ª posição. A China subiu duas posições para o 19º lugar, também pela qualificação da força laboral e pelas novas patentes registadas, muito pela sua Huawei. As maiores quedas relativamente a 2017 pertencem à Nova Zelândia e à Ucrânia, que baixaram quatro posições neste novo índice de inovação da Bloomberg.

No top 10, estão anda a Suécia (2ª posição), Dinamarca (8ª posição), França (9ª posição, tendo subido dois lugares) e Israel (10ª posição). A Bloomberg analisou 200 países a nível mundial.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!