Facebook admite que o Messenger ficou demasiado confuso

Prepara-te para uma limpeza na aplicação de chat do Facebook.

Facebook Messenger

Entre 2016 e 2017, o Messenger ganhou várias funcionalidades que tornaram a aplicação de chat do Facebook mais útil, mas simultaneamente aumentaram o ruído à volta das nossas mensagens. Neste novo ano, o Facebook promete “simplificar e agilizar” o Messenger.

Uma câmara com máscaras e filtros de realidade aumentada, histórias, jogos, um novo separador para descobrir bots e marcas, videochamadas de grupos, um assistente pessoal que faz sugestões, emojis para reagir a mensagens, etc. “Ao longo dos últimos dois anos, adicionámos muitas capacidades”, escreve David Marcus, responsável pelo Messenger, numa nota partilhada no seu perfil de Facebook, acrescentando que “muitas [dessas funcionalidades] encontraram o seu mercado; outras não”.

“Enquanto nos apressámos a construir essas novas funcionalidades, a aplicação tornou-se demasiado confusa. Espera vermos a investir massivamente em simplificar e agilizar o Messenger este ano, acrescenta. David Marcus faz um balanço da utilização do Messenger no que toca a números: 1,3 mil milhões de utilizadores mensalmente activos e mais de 200 mil bots disponíveis; em 2017, foram enviados 500 mil milhões de emojis, partilhados 18 mil milhões de GIFs e feitas 17 mil milhões de videochamadas no Messenger.

Para 2018, o responsável anunciou que o foco vai ser em conteúdos visuais (fotos, vídeo, GIFs, stickers…) e na comunicação em tempo real, através de chamadas de voz e de vídeo. Existirá ainda uma aposta nas conversas de grupo. “Existem muitas formas de melhorar os grupos”, refere David, falando, por exemplo, em novas “formas de passar de uma conversa de grupo para uma conversa de grupo em directo por videochamada”.