Gus Van Sant está de volta com Joaquin Phoenix, Jonah Hill, Rooney Mara e Jack Black

'Don’t Worry, He Won’t Get Far On Foot' demorou mais de 10 anos a fazer mas pelo trailer saído ontem, valeu a pena esperar.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

10 anos foi tempo suficiente para se especular acerca do novo filme de Gus Van Sant. O norte-americano fez-nos esperar, ou teve mesmo de esperar. Depois de uma década a tentar pegar na adaptação da história e de várias tentativas falhadas de acordos com os grande estúdios de Hollywood, o projecto chega agora aos cinemas pelas mãos da Amazon Studios, a provar que a espera pode valer a pena.

O elenco é composto por nomes como Joaquin Phoenix, Jonah Hill, Rooney Mara e Jack Black, que se juntam para contar a história de John Callahan, famoso cartoonista que ficou paralisado aos 21 anos, vítima de um acidente de carro provocado pelo abuso do álcool. Callahan (Joaquin Phoenix) começa a desenhar como forma de terapia. Durante anos, as suas obras foram publicadas no jornal Willamette Week, de Portland, e só depois da sua morte, em 2010, as suas produções começaram a ser publicadas em revistas importantes como a New Yorker, a Penthouse ou a Playboy.

Rooney Mara assume o papel de Annu, namorada de Callahan, e Jonah Hill será Donnie, um amigo carismático do cartoonista.

Joaquin Phoenix parece ter sido talhado para o papel, captando a angústia e ironia com que Callahan vivia a sua condição na perfeição. O desafio que não era fácil e Phoenix nem foi o primeiro actor convidado para o papel. Robbie Williams chegou a aceitar o papel em 1998, numa das vezes em que Gus Van Sant esteve quase a conseguir avançar com o projecto. Na altura, Callahan ainda estava vivo e a ajudar com o guião e argumento. Acabou por morrer em 2010.

O fascínio de Gus Van Sant pelo cartoonista vem do facto de serem conterrâneos. Ambos de Portland, Oregon, cidade onde o filme é passado, várias foram as vezes em que o realizador se referiu a Callahan como uma lenda, assumindo que quis adaptar a obra biográfica editada pelo artista em 1989 para cinema, desde que a leu.

Pelo trailer, o filme parece centrar-se na luta de Callahan contra o álcool, no seu caminho nos AA e no apoio dos que o rodeiam para que tente centrar-se no seu talento para (sobre)viver. Mas a história de Callahan é muito mais interessante e complexa que essa história padrão de “caminho para a recuperação”. Os seus cartoons, por muitos considerados pouco profissionais – Callahan desenhava com canetas em ambas as mãos – eram divertidos, brilhantes, algo mórbidos, muitas vezes aproveitados para que o próprio se divertisse com a sua deficiência. O tema, sensível, suscitou muitas controvérsias e houve até a ameaça de um boicote contra o Portland Willamette Week que originalmente publicou seu trabalho.

O cartoon de Callahan que dá nome ao filme de Gus Van Sant

O novo filme do realizador de Milk, Elephant e Good Will Hunting, estreia no Festival de Sundance já na próxima sexta-feira, dia 19. Chega aos cinemas comercias dia 11 de Maio, nos Estados Unidos e ainda não tem data de estreia em Portugal.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!