15ª edição da KINO traz o cinema alemão de volta a Portugal

As telas do São Jorge, em Lisboa, vão falar a língua de Goethe. Mostra de cinema de expressão alemã vai andar também pelo Porto e por Coimbra.

Wild Mouse, de Josef Hader
 

Esta quinta-feira, dia 18 de Janeiro, o Cinema São Jorge, em Lisboa, acolhe a abertura da 15ª edição da KINO, mostra de cinema de expressão alemã. Organizada pelo Goethe-Institut Portugal, a KINO dá a conhecer algumas das novas produções cinematográficas da Alemanha, Áustria, Suíça e Luxemburgo.

Entre 14 longas-metragens, oito documentários e uma sessão especial para famílias, são abordados os mais diversos temas em obras de realizadores já consagrados ou que estão agora a dar os primeiros passos na área da realização. O filme de abertura é um exemplo disso mesmo. Não sendo propriamente desconhecido do público português, que no ano passado o viu em Stefan Zweig: Farewell to Europe (filme que encerrou a KINO 2017), Josef Hader tem em Wild Mouse a sua estreia como realizador. O filme, no qual volta a interpretar o papel principal, conta a história de um famoso crítico de música que ao ver-se desempregado devido a cortes orçamentais, decide vingar-se do seu antigo editor e acaba por perder o controlo da situação.

Dentro do foco “Novas Perspectivas”outros exemplos de primeiros trabalhos que merecem atenção, como Herbert, de Thomas Stuber, a história dramática de um pugilista profissional que se vê confrontado com uma doença incurável do sistema nervoso motor, ou Siebzehn, uma visão simultaneamente suave e selvagem da adolescência pela jovem realizadora austríaca Monja Art. Este foco inclui também os filmes Haus Ohne Dach, da realizadora de origem iraquiana Soleen Yusef, e Bruder Jakob, que acompanha a conversão ao Islão do irmão do realizador Elí Roland.

A secção “KINOdoc” é uma das apostas desta 15ª edição da KINO, com um maior número de documentários a serem exibidos nas três cidades que acolhem a mostra. Isto reflecte-se também na escolha de Beuys, que estreia nas salas portuguesas a 8 de Fevereiro, para a abertura no Porto e em Coimbra, em colaboração com a Leopardo Filmes. Em Lisboa, por sua vez, destacam-se dois filmes dedicados à cena musical alemã: Denk ich an Deutschland in der Nacht, de Romuald Karmakar, e B-Movie: Lust & Sound in West-Berlin, de Jörg A. Hoppe, Klaus Maeck e Heiko Lange.

Die Göttliche Ordnung, de Petra Biondina Volpe

A sessão de encerramento tem lugar no dia 24 de Janeiro, com a antestreia de Die Göttliche Ordnung, de Petra Biondina Volpe. Apresentado pela Embaixada da Suíça e em colaboração com a Films4You, o filme conta a história da luta pelo direito ao voto feminino na Suíça dos anos 1970. Através da perspectiva de uma dona de casa numa vila remota do país, o espectador é convidado a olhar para este movimento histórico quando um pouco por todo o mundo continua a ser essencial pensar, debater e agir sobre as questões de igualdade de género.

A programação completa da KINO pode ser consultada aqui. A mostra vai estar por Lisboa de 18 a 24 de Janeiro, pelo Porto de 25 a 28 de Janeiro e por Coimbra de 14 a 16 de Fevereiro.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.