A Vero parecia boa demais para ser verdade

Não só é difícil apagar a conta, como o fundador da Vero terá abandonado, em 2016, os seus trabalhadores no meio de um deserto depois da falência da fábrica que geria.

Vero Facebook
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Foi no Instagram que vimos as primeiras pessoas a falar da Vero, e foi lá também que ouvimos as primeiras críticas. Jordan Herschel (@jordanherschel) é um fotógrafo que, como tantos outros, usa aquela plataforma para partilhar o seu trabalho e que, não só ficou curioso com o recente hype em torno da Vero, como desmascarou alguns dos seus “telhados de vidro”.

Numa série de Stories, Jordan começa por falar de Ayman Hariri, o multi-milionário que em 2015 fundou a Vero, e da sua fábrica na Arábia Saudita que abriu falência em 2016, alegadamente devido a má gestão e corrupção. Em resultado, os cerca de oito mil trabalhadores terão sido abandonados no meio do deserto, quase sem acesso a serviços ou possibilidade de regressar a casa, e com salários de vários meses em atraso. A história é contada pela agência Reuters.

Um artigo recente do Mashable salienta a ironia entre a postura de Ayman Hariri perante os trabalhadores da fábrica e o facto de agora estar à frente de uma rede social que se baseia em confiança, ao, pelo menos em teoria, não vender dados dos utilizadores a terceiros nem ser livre de publicidade. O modelo de negócio da Vero passará por cobrar uma pequena subscrição anual aos utilizadores a partir da meta de um milhão de utilizadores. Jordan fez um inquérito para a sua comunidade de mais de 500 mil seguidores, perguntando-lhes se pagariam pela Vero e 96% mostrou-se surpreendido com essa ideia.

A Vero anunciou esta quarta-feira que já tem mais de milhões de utilizadores, mas que vai manter a oferta de Vero gratuito para sempre. “Como prometido, o nosso primeiro milhão de utilizadores têm acesso à Vero de forma gratuita e para a vida. Contudo, devido às interrupções do serviço [na sequência da alta procura], vamos alargar essa oferta para todos os novos utilizadores até novo aviso”, lê-se numa nota divulgada na homepage da rede social.

Outro ponto destacado por Jordan (e também pelo Mashable) é a dificuldade em apagar uma conta. Uma vez registado na Vero, os utilizadores que queiram sair da rede social terão de enviar um e-mail através do suporte da aplicação, e esperar que ele seja lido e analisado. Segundo o Mashable e de acordo com Hariri, a intenção da Vero é tornar esse processo mais fácil no futuro.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.