O novo álbum de Herbie Hancock vai contar com Kendrick Lamar, Snoop Dogg, Flying Lotus e Thundercat

Será o primeiro trabalho da lenda do Jazz desde 2010. Para embrulhar tanta variedade musical, Hancock contará com Terrace Martin na produção.

Herbie Hancock novo álbum
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Herbie Hancock tinha anunciado um novo álbum para o fim de 2016. A data chegou mas com ela não veio música, só tristeza com a falta de detalhes e de uma data nova. Agora, numa entrevista ao The San Diego Union-Tribune, o aclamado pianista de jazz e vencedor de 14 Grammys deu aos fãs todo um novo relatório de progresso acerca do seu novo trabalho de estúdio.

De tudo o que revelou, destaque para a longa, variada e impressionante lista de colaborações. O músico de 77 anos, que diz “ainda estar a aprender”, vai contar com a ajuda de nomes como Kendrick Lamar, Thundercat, Flying Lotus e o saxofonista Kamasi Washington. “[O facto de terem]  construído as novas estruturas, as redes sociais e toda esses domínios, isso afecta a forma como lançam as coisas na frente do público para que eles saibam que estás a trabalhar em alguma coisa”, complementa o músico, salientando a importância de colaborar com artistas mais novos. Os quatro artistas apresentam-se como escolhas adequadas, uma vez que estão todos bem familiarizados com o estilo experimental de Hancock — liderados por Kendrick Lamar, provaram no magistral To Pimp a Butterfly, ter um papel importante na aproximação do mundo do Hip Hop ao Jazz.

Snoop Dogg também marcará presença, bem como o guitarrista africano Lionel Loueke, o mestre da percussão Zakir Hussein e o saxofonista Wayne Shorter, todos músicos da velha guarda com quem Hancock tocou no Miles Davis Quintet, na década de 1960. Com a tarefa de embrulhar e harmonizar tantos músicos e estilos diferentes, ficou o produtor Terrace Martin, conhecido pelo seu trabalho em TPAB e na mixtape untitled. unmastered. de Kendrick, e pelos seus trabalhos a solo.

Em relação aos temas que pretende abordar no próximo álbum, o pianista diz que a variedade de convidados especiais reflecte a sua vontade de abordar conceitos como a diversidade: “Eu quero fazer discos que apontem para o conceito de reunir as pessoas e trabalhar para encorajar as pessoas a aspirar a ser cidadãos do mundo, e não apenas cidadãos americanos, cidadãos italianos ou cidadãos japoneses”, explicou. “A música é um diálogo entre músicos, e é assim que podemos resolver muitos dos problemas que temos no mundo de hoje, através do diálogo e do respeito mútuo.”

Herbie Hancock não adiantou quaisquer pormenores sobre a data de lançamento do disco que se seguirá a The Imagine Project, de 2010, mas garante que vai incorporar amostras de música nova nos próximos concertos.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!