ARARA traz a Lisboa criatividade e revolução das ruas do Porto

A Oficina Arara é um colectivo composto por 11 artistas, com sede na cidade do Porto. Autónomos, independentes e sobretudo vivos — no sentido mais forte da palavra — são uma espécie em vias de extinção no panorama criativo nacional.

 

Quem já passeou pelas ruas do Porto muito provavelmente já se cruzou com cartazes coloridos impressos a serigrafia e intervencionados com pinceladas de tinta crua que lhes acrescentam um simbolismo e força. Seja sobre a cara de Rui Rio, recém-eleito presidente do Partido Social Democrata e com alusões aos seus tempos enquanto presidente da Câmara Municipal do Porto, sejam criações abstractas a apelar à abolição do trabalho, o grito da Arara tornou-se parte inseparável na descrição do tom global das ruas do Porto. Agora, num raro voo, o estúdio criativo e sobretudo interventivo, rumou a sul para criar na Galeria Zé dos Bois uma exposição única. Ou melhor, para criar uma experiência única — para além do que nos habituámos numa exposição.

O que se pode ver na Zé dos Bois não é propriamente descritível porque é feito para assim ser. Às duas primeiras salas de recepção, no primeiro piso, onde uma quantidade considerável de obras faz uma espécie de retrospectiva ou contextualização do colectivo — de magazines caseiras, desdobráveis intrigantes, pósteres para eventos ou pinturas abstractas — juntam-se as 3 do piso superior onde a vivência se personaliza. Nestes espaços onde até a luz foi sujeita a intervenção, é possível mergulhar imersivamente no universo do colectivo, onde a criatividade é uma força de libertação.

Cortesia da Galeria ZDB

A Oficina Arara é um colectivo com sede na cidade do Porto e uma composição dinâmica, do qual, ao longo do tempo, já fizeram parte vários artistas. Autónomos, independentes e sobretudo vivos — no sentido mais forte da palavra — são uma espécie em vias de extinção no panorama criativo nacional. Uma mistura coloidal entre o espírito irrequieto de vários artistas plásticos que se expressa em catarses sincrónicas criando acontecimentos incontornáveis. A sua paragem por Lisboa, pela ZDB, prolonga-se até ao dia 28 de Abril e tem o custo simbólico de 3€.

Nesta exposição da Arara podem ver-se trabalhos tanto dos actuais membros como de outros que por lá passaram: João Alves, Miguel Carneiro, Pedro Nora, Irina Pereira, Raquel Relvas, Ruca Bourbon, Daniela Duarte, Luís Silva, Bruno Borges, Dayana Lucas, Von Calhau!

 

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.