Terminada a primeira ponte impressa em 3D. Poderás pisá-la em Amesterdão em 2019

Foi impressa em aço por robôs industriais.

Foto via MX3D
 

Vai permitir a travessia pedonal num dos múltiplos canais de Amesterdão – o Oudezijds Achterburgwal – e está, por fim, impressa. Sim, leste bem, impressa. Trata-se de uma estrutura em metal desenhada por humanos e construída por robôs, uma “aventura” começou em 2015.

Foi em 2015 que uma start-up tecnológica holandesa, chamada MX3D, se dedicou a pensar numa forma de mostrar todo o potencial de impressão 3D, concluindo que a construção de uma ponte num dos canais mais antigos de Amesterdão seria uma “fantástica metáfora para a ligação entre uma tecnologia do futuro e o passado de uma bela cidade de uma forma que revelasse os melhores aspectos dos dois mundos”. A criação dessa ponte em impressão 3D seria, simultaneamente, um processo de aprendizagem – com uma duração difícil de prever – para a MX3D, mas passado perto de 4 anos, chegou ao fim.

Quatro anos depois, a ponte da MX3D está impressa mas ainda não está finalizada. Faltam-lhe alguns pormenores ornamentais, prevendo-se que a estrutura venha a ser instalada no Oudezijds Achterburgwal algures em 2019. Antes disso, em Outubro deste ano, deverá ser mostrada publicamente na Dutch Design Week.

Desenhada pelo holandês Joris Laarman, a estrutura tem 12 metros de comprimento e 4 de largura, tendo sido produzida por robôs industriais a partir de aço fundido e consoante desenhos técnicos feitos em Autodesk.

O projecto contou (e conta) com vários parceiros, como a Arup, que ficou encarregue da engenharia, a Lenovo, que forneceu todo o hardware computacional, ou a Imperial College London, cujos investigadores vão realizar vários testes de carga total para comprovar a integridade estrutural da ponte. Aliás, alguns desses testes já foram feitos de forma informal durante uma festa para celebrar a conclusão da impressão da ponte, tendo a mesma “portado-se bem”.

Uma ponte digital

Apesar de ser feita em aço, a ponte da MX3D terá sensores incorporados que servirão para recolher dados sobre a tensão e vibração da estrutura, bem como factores ambientes (qualidade do ar e temperatura) e dados estatísticos (por exemplo, quantas pessoas estão a atravessar a ponte e a que ritmo). Dessa forma, poderá ser criado um “gémeo digital” da ponte, actualizado em tempo real à medida que a informação é recolhida no local.

Todo este sistema digital está a ser desenvolvido por matemáticos do Alan Turing Institute, especialistas em Internet das Coisas e engenheiros, em conjunto com a MX3D, e permitirá perceber digitalmente o comportamento que a ponte física poderá ter – informação que pode ser útil no desenvolvimento de futuras pontes em impressão 3D. Contudo, antes disso e numa primeira fase, os sensores da ponte ajudarão nos testes de performance da estrutura.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.