Facebook criou um pequeno e misterioso departamento dedicado à blockchain

Empresa não adiantou o que vai desenvolver com a tecnologia de blockchain.

Facebook Blockchain
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

David Marcus, que chegou ao Facebook para liderar a equipa responsável pelo Messenger, vai mudar de funções. “Estou a montar um pequeno grupo para explorar a melhor forma de alavancar o blockchain dentro do Facebook, começando do zero”, escreveu o executivo no seu perfil, depois de o site Recode ter avançado a notícia de que o Facebook tinha criado um pequeno departamento dedicado à tecnologia de blockchain.

Na publicação que fez no seu Facebook, David Marcus agradeceu os anos que passou à frente do Messenger e destacou os sucessos alcançados, como o crescimento de 300 milhões para mais de um mil milhão de utilizadores, a ferramenta de transferência de dinheiro, o investimento feito na câmara incorporada na app ou o lançamento da plataforma de bots. “Depois de quase quatro anos inacreditavelmente gratificantes à frente do Messenger, decidi que era hora de assumir um novo desafio”, disse sem avançar detalhes sobre o que o Facebook procura na tecnologia de blockchain.

No início deste ano, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, tinha já revelado publicamente curiosidade pela tecnologia de blockchain, tendo adiantado estar “interessado em aprofundar os aspectos positivos e negativos” das criptomoedas. Além de David Marcus – que, antes do Messenger, foi CEO do PayPal e que, desde Dezembro, se senta numa das cadeiras da administração da plataforma de trocas Coinbase –, o misterioso departamento de blockchain do Facebook terá ainda a bordo Kevin Weil, ex-vice-presidente de produto do Instagram, e James Everingham, ex-vice-presidente de engenharia também do Instagram.

A mudança de cargos que aqui falamos é apenas uma parte de uma das maiores reorganizações internas que o Facebook está a fazer, como conta o Recode. O investimento do Facebook em blockchain não quer dizer que a empresa vá lançar uma criptomoeda, pois as aplicações desta tecnologia são bem mais vastas – o blockchain pode ser usado para reforçar a segurança do armazenamento de dados, por exemplo.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!