Adobe está a mudar para acompanhar a nova geração criativa

A tecnológica tem vindo a apostar em novas ferramentas que procuram acompanhar as novidades do meio digital.

Adobe
Foto de Lost Co via Unsplash

Numa geração de criativos, cuja necessidade de mudança e de inovação são constantes, a Adobe tem apostado ao longo dos anos em novos softwares que fogem à performance dos seus clássicos e que procuram elevar a sua cloud a outro nível.

Pensando na Adobe e nos softwares que a constituem (a Creative Suite), é inevitável não surgirem quatro grandes nomes que são os já considerados clássicos da mesma. O Photoshop, o Illustrator, o InDesign e o Premiere são os programas old school da empresa norte-americana e o grande motivo por que muitos a procuram.

No entanto, nestes últimos tempos a Adobe tem se mostrado atenta às necessidades do seu público, numa clara tentativa da empresa de acompanhar a geração actual de criativos, ao fornecer-lhes os meios necessários para realizar as suas tarefas da melhor forma possível ou, até mesmo, descobrirem novas formas de desempenharem e divulgarem o seu trabalho.

Desta forma, além das várias actualizações que têm vindo a acontecer nas aplicações  já conhecidas, a Adobe tem seguido as novidades do mundo digital, procurando acompanhar os seus adversários – nomeadamente no que toca às necessidades de prototipagem rápida ou de esboçar umas simples ideias.

Ao longo destes últimos anos, foram várias as novas ferramentas lançadas pela Adobe, que apresentam funcionalidades diferentes das restantes. Spark, XD, Muse e Rush são as últimas novidades da marca e que procuram elevar a sua performance a outro nível.

Adobe Muse

O Muse surgiu com o intuito de permitir aos designers desenvolverem os seus sites sem terem conhecimento de HTML e CSS. Lançado em 2012, através deste programa, os utilizadores conseguem criar sites estáticos que podem ser hospedados em qualquer serviço. Além disso, possibilita também a implementação de outras funcionalidades, como blogues e lojas online, através de plug-ins desenvolvidos por outros utilizadores.

O Muse foi actualizado pela última vez em Março de 2018. Contudo, a Adobe revelou que este software será descontinuado a partir do dia 19 de Maio de 2019. Segundo a empresa norte-americana, os motivos para este acontecimento concentram-se no facto de existem, efetivamente, novos softwares que executam as mesmas tarefas do Adobe Muse com melhor performance e desempenho. Exemplos desses novos softwares são, precisamente, o Adobe Spark e o Adobe XD que serão citados de seguida.

Adobe Spark

Surgiu em 2016 e foi logo considerada a melhor aplicação desse ano da Apple Store. Constituída por três ferramentas de design únicas e com objetivos diferentes, Spark foi a grande aposta da Adobe na criação de conteúdos de uma forma fácil, intuitiva e abrangente a todo o tipo de público. Através deste software, os utilizadores conseguem criar, editar e partilhar os seus conteúdos visuais a partir de qualquer dispositivo.

O Adobe Spark é constituído por três ferramentas distintas: Spark Post permite criar grafismos através de imagens, texto e filtros já pré-definidos; Spark Page ajuda o utilizador na criação de páginas web ao possibilitar a conjugação de texto e imagens numa página com o estilo de revista e que é compatível em qualquer dispositivo; por fim, com Spark Video é possível a realizar vídeos animados, através da adição imagens, vídeos já existentes, texto e músicas.

Adobe Spark era uma aplicação apenas disponível para dispositivos iOS, sendo que muito recentemente passou a ser também compatível em dispositivos Android.

Adobe XD

Adobe XD é o grande investimento da Adobe no design de UI/UX. Surgiu, a medo, em 2016, com o nome de “Adobe Experience Design CC” e começou por ser exclusivo do macOS. Apenas em 2017 é que foi lançada a sua primeira versão completa, desta vez já disponível também para Windows.

Com esta ferramenta, o utilizador consegue criar protótipos das suas aplicações ou sites, podendo personalizar todo o design/interface e aplicar efeitos de transições sensíveis ao clique. Além disso, é também compatível com o Illustrator, o Photoshop e o Sketch, existindo a possibilidade de implementação de gráficos realizados nestes três softwares no próprio XD.

Mais recentemente, o Adobe XD teve uma nova actualização que passou pela implementação de dois novos recursos: as sobreposições e os elementos fixos. Desta forma, através das sobreposições os designers conseguem inserir objetos ou textos que gostariam de animar (por exemplo, uma caixa ou legenda pop-up) e através dos elementos fixos conseguem definir a posição permanente de determinados objetos (por exemplo cabeçalhos, rodapés e menus).

Adobe Rush

O Rush é a última grande novidade da Adobe e contém em si tudo o que a empresa considera necessário para a edição de vídeo. Com esta aplicação, o utilizador consegue ajustar as cores, sons, adicionar efeitos e, ainda, exportar o vídeo de acordo com a plataforma social a que o mesmo se destina.

O objectivo de Rush é ser uma aplicação acessível a todos os criativos, profissionais ou não, bem como a utilização da mesma em qualquer dispositivo, telemóveis ou computadores, de uma forma sincronizada e sem perder conteúdos.

Apesar das aproximações deste software ao já mencionado Spark Video, a verdade é que, ao contrário deste último, o Adobe Rush permite a gravação de imagem e a edição imediata do mesmo.

Ainda na onda de novidades da Creative Cloud da Adobe, foram vários os restantes softwares que tiveram actualizações nos últimos tempos. Um deles foi o Adobe PDF, que agora mantém a tipografia e o layout definido noutros programas de edição (como o Photoshop e o Illustrator). Caso estejas interessado em saber de mais novidades da Adobe Creative Cloud, clica aqui.