Souto de Moura não foi único vencedor em Veneza, contamos-te o que ainda não ouviste

Leões de Ouro, “Turismo Imobiliário”, Brexit e o sossego Alentejano.

 

Foi no Palazzo Ca’ Giustinian, sede da Bienal de Veneza, na margem do Canal Grande, junto à Piazza San Marco, que decorreu no dia 26 de Maio, pelas 11 horas, a entrega dos prémios da 16ª Exposição Internacional de Arquitectura da Bienal de Veneza.

Comecemos pelos prémios

O júri deste ano, composto por Sofía von Ellrichshausen (presidente do júri, Argentina), Frank Barkow (EUA), Kate Goodwin (Austrália), Patricia Patkau (Canadá) e Pier Paolo Tamburelli (Itália) teve em mãos a responsabilidade de entregar os seguintes prémios:

  • Leão de Ouro para Melhor Participação na 16ª Exposição FREESPACE: Eduardo Souto de Moura (Portugal);
  • Leão de Prata para Jovem Promessa Participante na 16ª Exposição FREESPACE: Jan de Vylder, Inge Vinck e Jo Taillieu (Bélgica);
  • Leão de Ouro para Melhor Participação Nacional: Suíça com Svizzera 240 e House Tour.

Foram ainda entregues três menções honrosas, respectivamente:

  • Menção Honrosa como Participação Nacional: Grã Bretanha com Island;
  • Duas Menções Honrosas para Participações na 16ª Exposição Internacional FREESPACE: Andra Matin (Indonésia) e Rahul Mehrotra (Índia/EUA).

Muito se falou da Suíça e da Grã Bretanha

Nos três dias que antecederam a entrega dos prémios, entre pré-visualizações e inaugurações, muito se falou sobre as representações da Suíça e da Grã Bretanha.

Os primeiros optaram por proporcionar aos visitantes uma experiência divertida de ampliação e redução da escala doméstica, descrita como “turismo imobiliário”. Svizzera 240 critica o meio como a arquitectura suíça (diria mundial) comunica o espaço interior doméstico contemporâneo. Paredes brancas, pavimento em soalho e/ou cerâmico com janelas iguais e carpintarias lacadas de branco, esta será provavelmente a descrição mais comum de uma habitação disponível no mercado imobiliário actual. A sucessão de espaços a diferentes escalas mas sempre com os mesmos elementos caricaturiza um possível tour pelo mercado residencial contemporâneo das cidades.

Svizzera 240

Por outro lado, a Grã Bretanha propõe-se fazer tábua rasa das representações anteriores. A escolha de “Island” como título remete de imediato para o Brexit e a incerteza do isolamento que daí resultará. A liberdade e o arrojo de esvaziar o pavilhão Britânico, de modo a permitir uma apropriação informal, resultante de um programa que se prevê dinâmico e imprevisível foi sem dúvida uma aposta ganha. A completar esta experiência de incerteza está uma estrutura de andaimes que envolve o pavilhão, que nos dá a sensação de algo em construção, através da qual podemos subir acima da copa das árvores e desfrutar de um paisagem de 360º sobre os Giardini e Veneza, para que aí possamos descansar numa ilha à deriva.

Island

Portugal a surpreender

A grande surpresa veio de Portugal, mais concretamente de São Lourenço do Barrocal, nos arredores de Monsaraz, Alentejo. Eduardo Souto de Moura conseguiu de uma forma muito discreta seduzir o júri apenas com duas fotografias. À primeira vista pensamos estar perante a mesma imagem. No entanto, um olhar mais atento permite-nos desvendar pequenas diferenças, minuciosas, quase cirúrgicas.

Foto via Bienal de Veneza

Segundo o comunicado do júri, a precisão da intervenção “revela a relação essencial entre arquitectura, tempo e lugar. O espaço livre surge sem anúncio, claro e simples”. O arquitecto português assumiu a intenção de participar de forma simples mas eficaz.

Souto de Moura a receber o Leão de Ouro

Uma exposição desta natureza tende a ser muito densa de conteúdo, por vezes demasiado centrada no ego dos seus intervenientes. Curiosamente, o júri optou por premiar intervenções com pouca retórica mas eficazes na maneira como transmitem a mensagem pretendida. Tal subtileza corre o risco de perder algum protagonismo para participações visualmente mais apelativas ou impactantes, como é o caso das incríveis maquetes de Peter Zumthor ou as colunas “falsas”(em gesso cartonado) de Valerio Olgiati. Ambas as intervenções assumem particular destaques pela localização central, a eixo do percurso de entrada do Edifício Central dos Giardini e da Cordoaria do Arsenal, respectivamente.

As incríveis maquetes de Peter Zumthor
As colunas “falsas”(em gesso cartonado) de Valerio Olgiati

O culminar de tudo isto foi, sem dúvida, a entrega do Leão de Ouro de Carreira a Kenneth Frampton. O arquitecto, crítico, escritor, professor e investigador sugerido pelas curadoras Gerais, Yvonne Farrel e Shelley McNamara, foi aplaudido de pé, durante longos minutos, pelos presentes na cerimónia. A dupla irlandesa salientou que “Kenneth Frampton ocupa uma posição de extrema perspicácia e inteligência combinadas com um sentido de integridade único. Destaca-se como a voz da verdade na promoção dos valores chave da arquitectura e do seu papel na sociedade”.

Kenneth Frampton a receber o Leão de Ouro de Carreira

(Texto de Francisco Amoedo Pinto, editado por Mário Rui André)

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.