Marinho e Pinto diz que Artigo 13 vai travar os “parasitas” da Internet

O eurodeputado português é decisivo na maior reforma dos direitos de autor dos últimos anos na União Europeia e pronunciou-se sobre ela numa entrevista.

Marinho e Pinto
Ilustração de @InsoniasCarvao via Twitter
 

É esta semana que o comité JURI, ao qual pertence o eurodeputado português Marinho e Pinto, vai decidir se a maior reforma de direitos de autor na União Europeia da última década avança. É uma reforma muito polémica, que tem sido activamente contestada por criadores de conteúdos, defensores dos direitos digitais e personalidades ligadas à fundação da Internet livre, a que nos habituámos.

Em entrevista à Exame Informática, Marinho e Pinto pronunciou-se sobre a nova directiva europeia dos direitos de autor, promovida pela Comissão Europeia com o contributo dos vários Estados-membros, incluindo de Portugal, que chegou a propor algumas regras mais agressivas que entretanto foram postas de parte. O eurodeputado referiu que não vai travar a directiva. “As pessoas que tinham essa expectativa não me conhecem”, disse numa entrevista em que apelida de “parasitas” os autores de memes, paródias e de outros conteúdos criativos feitos a partir de obras de autor. “A questão não está em dificultar o acesso aos consumidores da obra intelectual, mas sim em impedir que parasitas que nada contribuíram para a construção da obra estejam a beneficiar com ela à custa do produtor…”, explicou em relação ao Artigo 13, referindo-se a plataformas como Facebook e Google.

“Depende dessa corrente que defende que tudo é nosso”

O voto de Marinho e Pinto no comité pode ser decisivo: segundo a euro-deputada Julia Reda, que contesta esta reforma, a mesma deverá ser aprovada “à rasquinha”, com 13 votos a favor e 12 contra. “Há o risco de não passar, mas depende dessa corrente que defende que ‘tudo é nosso’, e da demagogia de alguns partidos sociais democratas e socialistas nessa corrente do ‘é tudo nosso’ e o autor, a partir do momento em que cria uma obra, é desapossado dela porque está na Internet e é para todos”, refere Marinho e Pinto. “Voltámos aos tempos antigos em que os autores morrem na miséria, como morreu o Camões, o Bocage e muitos criadores da história da humanidade. Os outros facturam milhões Os pintores que viveram na miséria pintaram quadros que hoje valem milhões e milhões… é isso que querem, por causa da Internet?”

Marinho e Pinto comentou também o Artigo 11, conhecido como “taxa do link”. “O que sucede hoje é que vamos acedendo à notícias, através do Google e de outras plataformas, que são detidas sobretudo por grandes empresas americanas, passámos a ter acesso à imprensa”, diz Marinho e Pinto. “Essas plataformas facturam milhões em publicidade que põem à volta dessa disponibilidade da obra dos outros – e das notícias que os outros fizeram”, acrescenta o eurodeputado. “É justo que essas plataformas paguem aos jornais os acessos que facilitam a milhões de pessoas.”

A entrevista da Exame Informática a Marinho e Pinto pode ser lida na íntegra aqui e a Julia Reda aqui. Para compreenderes melhor esta assunto, podes ler este artigo do Shifter.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.