650 pessoas pedem a devolução do Cinema Ícaro à cidade de Viseu

"Os cinemas estão a voltar às cidades e as pessoas estão a voltar ao cinema. As câmaras e as instituições culturais devem estar conscientes desta realidade e do potencial cultural e económico para o desenvolvimento da cidade."

Cinema Ícaro
Foto via Cinema Ícaro/DR

Existem salas dos Cinemas NOS de norte a sul do país e Viseu tem 12 entre dois centros comerciais, o Palácio do Gelo e o Fórum Viseu. Contudo, só determinados filmes – os ditos filmes comerciais – integram o circuito dos Cinemas NOS, pelo que há muito cinema – o chamado cinema independente, de autor – que é difícil de ver fora de Lisboa ou do Porto, a não ser que passe na televisão, esteja no catálogo do Filmin ou possa ser descarregado licitamente através da Internet.

Em Viseu, a única sala que passava cinema independente está fechada há mais de uma década e agora pede-se a sua reabertura. O Cinema Ícaro, com capacidade para 170 espectadores, reabriu no início de Maio deste ano, mas só temporariamente durante cinco dias, para receber um festival de cinema. Oficialmente a última sessão no Ícaro foi em Fevereiro de 2005, com o filme The Aviator, de Martin Scorsese. Poucos meses depois, em Agosto, Viseu perdeu outra sala: o Cinema São Mateus, que desde 1984 e até à inauguração do Ícaro em 1994 fora o único cinema local.

Localizado numa galeria comercial com o mesmo nome, o fechado Cinema Ícaro é agora protagonista de uma petição online que conta já com cerca de 650 assinaturas. Pede-se a sua reabertura porque os Cinema NOS “não oferecem uma programação independente e alternativa”, sendo “incapazes de reflectir o que é o panorama mundial da produção cinematográfica”. Só o Cineclube de Viseu consegue levar àquela cidade do interior-centro do país uma programação “regular e exemplar” desse tipo de cinema, contando, no entanto, apenas com o auditório do Instituto Português da Juventude. “É de louvar o enorme trabalho do cineclube, no papel da promoção, divulgação e educação da população local”, escrevem os manifestantes.

A petição partiu da iniciativa de um grupo de cidadãos e conta com o apoio de várias personalidades ligadas à área do cinema, como: os cineastas Pedro Costa, Miguel Gonçalves Mendes, Marta Mateus, Edgar Pêra e André Príncipe; os produtores Paulo Trancoso (Presidente da Academia Portuguesa de Cinema) e José Pedro Lopes; os professores e investigadores Carlos Melo Ferreira e Sérgio Dias Branco; os programadores de cinema Maria João Madeira, Joana Maria Ascensão, Miguel Ribeiro, Pedro Borges e Vítor Ribeiro; os críticos Vasco Câmara, Ricardo Vieira Lisboa e Hugo Gomes; o fotógrafo André Cepeda; Regina Machado, da direcção do Cineclube do Porto; entre outros.

“Devolver o Ícaro a Viseu é o mínimo”

“Viseu precisa do Cinema Ícaro”, lê-se no site que serve de suporte à petição lançada a 2 de Julho e dirigida à Câmara Municipal de Viseu. “O Ícaro pode ter uma nova vida através de uma programação mais voltada para o cinema independente e alternativo, sessões de exibição de clássicos do cinema mundial, assim como pela realização de festivais, mostras de cinema, criação de eventos de natureza cultural e cinematográfica. Assim, o Ícaro poderá devolver à cidade um espaço que preencha a falta de oferta no sector cinematográfico, permitindo ao público a construção do seu olhar e novas formas de pensamento crítico”, defendem, lembrando a reabertura dos Cinemas Trindade e Batalha, no Porto, e do Cinema Ideal, em Lisboa, bem como o investimento que a Câmara Municipal de Bragança vai fazer de 270 mil euros para a reabertura da mais antiga sala de cinema da cidade.

Foto via Cinema Ícaro/DR

“Os cinemas estão a voltar às cidades e as pessoas estão a voltar ao cinema. As câmaras e as instituições culturais devem estar conscientes desta realidade e do potencial cultural e económico para o desenvolvimento da cidade. Queremos reunir o maior número de assinaturas possível, envolver toda a população viseense e não só, para que a Câmara Municipal de Viseu reflicta sobre o potencial do Cinema Ícaro e que lhe dê uma nova vida. Devolver o Ícaro a Viseu é o mínimo, pela cultura”, rematam. Pode assinar a petição aqui.