A partir de hoje: é apenas Fumaça, oficialmente um órgão de comunicação social

Deixaram cair o "É Apenas" do nome e são agora só Fumaça. Um novo órgão de comunicação, que nasceu de um podcast e que agora, com uma nova identidade e um novo site, quer ser mais que isso.

Fumaça

Em Junho de 2016, lançaram o seu primeiro podcast – uma entrevista de uma hora a Rui Tavares, historiador e político, sobre o “projecto europeu”. Seguiram-se mais 150 episódios, uma bolsa de 80 mil euros e agora um nova nova identidade e um novo site. O É Apenas Fumaça chama-se agora só Fumaça e apresenta-se como um órgão de comunicação social.

O registo na Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) é uma mera formalidade que, para o grupo de jovens que constitui o Fumaça, significa um novo arranque: uma ambição de criar um órgão de comunicação social, financiado pela comunidade e que se estende para além do podcast. Mantendo o áudio como formato principal, querem fazer reportagens escritas, fotogalerias e séries documentais (como a da Palestina, que visitaram no ano passado). Querem também lançar um jornal em vídeo, online, focado em temas da actualidade – projecto programado para este Verão.

Uma nova identidade, um novo site

Todos os conteúdos vão estar acessíveis gratuitamente através do seu novo site, que ainda está a ser ultimado. Simplificaram o nome porque já muita gente os chamava “Fumaça”, incluindo eles próprios. Fumaça é o nome do órgão de comunicação social que apresentaram este sábado à tarde na Casa da Imprensa; É Apenas Fumaça será, a partir de agora, o nome do programa de podcasts, que prometem continuar a dinamizar com entrevistas a activistas, investigadores, políticos, artistas e outras personalidades de relevância social, tanto a nível nacional como internacional.

A equipa do Fumaça – Bernardo Afonso, Frederico Raposo, Maria Almeida, Pedro Miguel Santos, Pedro Zuzarte, Ricardo Esteves Ribeiro, Sofia Rocha, Tomás Pereira e Tomás Pinho – promete manter a aposta na profundidade dos seus conteúdos, que querem que sirvam para fazer pensar e questionar ideias feitas. O estatuto editorial deste projecto de media alternativo é claro nessa ambição: “Fumaça não pratica a ditadura da rapidez, do imediatismo e da voracidade da informação sem tempo para ser executada. Da mesma forma, entende que as pessoas devem poder aceder a informação complexa, aprofundável à medida dos seus tempos e interesses.”​

Uma parte da equipa do Fumaça

Localizados fisicamente no número 23 da Calçada do Tijolo, em pleno Bairro Alto, em Lisboa, o Fumaça conta com o apoio da sua comunidade de ouvintes (e agora também leitores). No novo site agora apresentado, pretende que as pessoas que apoiam o Fumaça possam ter acesso a entrevistas exclusivas que, para os não-apoiantes, estão disponíveis apenas parcialmente. Enquanto não têm essa funcionalidade pronta, vão recorrer ao Slack e ao Patreon.

O apoio da comunidade e um “empurrão” de 80 mil euros

A longo prazo, o Fumaça acredita ser possível que a sua comunidade ajude na independência e sustentabilidade financeiras necessárias. Para já, o projecto conta com uma bolsa de 80 mil euros provenientes ​da Open Society Foundations, fundada pelo magnata George Soros, e que este apoio ajudou a dar outro fôlego. Afirmam o seu jornalismo como “independente, progressista e dissidente”; os mais de 150 episódios já produzidos do podcast superam as 360 mil audições, cobrindo temas como direitos humanos, racismo, imigração, discriminação, educação, feminismo, questões LGBT, ambiente, religião ou memória histórica.

O Fumaça está a ser apresentado este sábado, 21, na Casa da Imprensa, em Lisboa, juntamente com algumas ideias para o futuro. No evento, vão fazer uma entrevista ao vivo, aberta ao público presente e com direito a perguntas. Conversarão com Margarida Tengarrinha​, militante anti-fascista de 90 anos. Aos 24 anos de idade foi proibida de frequentar todas as faculdades do país e, três anos depois, passou à militância clandestina no PCP. Em 1961, o seu companheiro, o pintor José Dias Coelho, foi assassinado pela PIDE. Nos anos 60, exilou-se em Moscovo, capital da antiga União Soviética, para trabalhar com Álvaro Cunhal.