O misterioso caso das bicicletas GIRA desaparecidas

Enquanto se inauguram novas estação da GIRA, o número de bicicletas disponível oscila, incomodando os utilizadores. Há trabalhos de manutenção que precisam de ser feitos, mas há também uma questão de transparência por parte da EMEL por resolver.

GIRA EMEL

A meio do dia 25 de Junho, uma segunda-feira, João Pinheiro, porta-voz da EMEL no grupo oficial da GIRA no Facebook, publica que várias bicicletas tinham sido recolhidas para um trabalho de manutenção. Pouco depois, um SMS enviado aos subscritores do serviço informa da mesma situação. Dias antes, já vários utilizadores tinham reportado no grupo de Facebook a existência de muitas docas vazias e a circulação de mais bicicletas eléctricas que clássicas, pedindo esclarecimentos à EMEL e questionando o seu silêncio nas caixas de comentários.

Menos bicicletas disponíveis de repente e pouco diálogo por parte da EMEL não era propriamente uma novidade para os seguidores do grupo de Facebook e utilizadores do serviço. Em Abril, tinha acontecido uma situação semelhante: vários posts a questionar as docas mais vazias, silêncio do lado da EMEL, um aviso à posteriori, aquando da reposição das bicicletas. “Vários utilizadores assinalaram que o número de bicicletas disponíveis era inferior ao habitual, situação que para a EMEL é importante esclarecer”, publicou na altura João Pinheiro, referindo que esteve a ser feita uma “revisão regular e intervenção de manutenção de várias bicicletas em simultâneo” e que seriam “tomadas medidas para que de futuro esta situação, que lamentamos, não se volte a sentir na vida normal da rede GIRA”.

A EMEL comunicou a recolha de dezenas de bicicletas apenas depois, deixando vários utilizadores sem resposta durante vários dias sobre a menor oferta disponível na rede

Um caso de transparência (ou de falta dela)

A manutenção das bicicletas é obviamente necessária, principalmente quando, segundo o porta-voz da EMEL na supra referida publicação de dia 25, em média cada bicicleta é usada cinco vezes por dia, Contudo, pode e deve ser questionada a ausência de aviso prévio a quem subscreve um passe da GIRA e utiliza o serviço diariamente, assim como a opção de retirar várias bicicletas em simultâneo de circulação. É um caso afecto a quem usa e paga a GIRA, mas também para todos os contribuintes, ou não fosse a EMEL uma empresa pública sob alçada da Câmara Municipal de Lisboa, uma entidade também ela pública. A informação que circula sobre o sistema de bicicletas partilhado de Lisboa é geralmente disfarçada de anúncio político, para realçar a utilização da GIRA e fazer passar a mensagem de sucesso. Contudo, o sucesso de um sistema de bicicletas partilhado não pode ser medido apenas pelo número de passes anuais vendidos (até porque é uma espécie de fidelização ao serviço que, findo o prazo de um ano, pode não ser renovado).

A surpresa de vários utilizadores na GIRA com a menor disponibilidade de bicicletas

Para a Câmara Municipal de Lisboa, é naturalmente importante mostrar o sucesso da GIRA, justificando também assim o investimento de mais de 20 milhões de euros só na aquisição das bicicletas e das docas à fabricante portuguesa Órbita. Mas, para os utilizadores, o discurso deveria ser mais transparente e menos político. Instalar um sistema como o da GIRA acarreta desafios. Falhar é natural, mas algo tradicionalmente invisível na comunicação de políticos e entidades públicas. Informação sobre quantas bicicletas existem disponíveis, avisos prévios de baixas para trabalhos de manutenção, indicação de onde e quando serão instaladas novas docas, explicações sobre como funciona o demorado processo de abertura de novas estações e esclarecimentos sobre como é feita a reposição diária das bicicletas (para que não existem zonas da cidade com docas vazias e outras áreas sobrecarregadas) deveriam ser, entre outras coisas, práticas regulares por parte da EMEL e da Câmara Municipal.

Menos política, mais acção

Uma comunicação baseada exclusivamente no número de passes vendidos ou de estações abertas, sem um diálogo contínuo e próximo dos utilizadores, pode levar ao abandono do sistema ou, pior, à criação de uma má imagem do mesmo a longo prazo, arriscando-se a GIRA – um projecto novo na cidade – a tornar-se na opinião pública uma Carris ou um Metro ao nível de reputação pública. Informação factual e uma explicação dos processos de bastidores, que por vezes são complexos e com os quais uma pessoa que seja mero utilizador não contacta, pode ajudar a afastar rumores sobre qualquer desresponsabilização ou incompetência.

Dado compilados voluntariamente por Francisco Seixas, utilizador da GIRA e autor do site cicloviaslx.com, mostram que a oferta diminuiu substancialmente durante o mês de Junho, correspondendo ao que foi sendo reportado online. Se no início do mês foram contabilizadas cerca de 500 bicicletas, a meio existiam menos de 300. O pico de maior número de bicicletas disponível deu-se no dia 1 de Junho com 597 bicicletas, número que não voltou a repetir-se até à data deste artigo. Actualmente existem perto de 450 disponíveis.

Gráfico elaborado por Duarte Albuquerque, um utilizador da GIRA, com base nos dados divulgados no CicloviasLX

Os dados foram recolhidos através da API da GIRA, disponível publicamente, depois da hora de fecho do serviço – duas das manhã. Em entrevista via chat ao Shifter, Francisco confessa que os dados disponibilizados pela EMEL são limitados e que, “infelizmente, desde meados de Maio que deixaram de responder a e-mails que enviei com dúvidas e sugestões para melhorar a API”. “Por exemplo, faltam coisas tão básicas como saber quantas docas estão a funcionar em cada estação, ou mesmo conseguir diferenciar bicicletas clássicas de eléctricas. A API tem um enorme potencial que está, neste momento, a ser desprezado em absoluto”, refere.

De que a comunidade é capaz

O CicloviasLX foi criado no final de 2009, numa altura em que não existia um sítio online e acessível a todos que mostrasse a localização das ciclovias da cidade, como hoje existe. Francisco começou a fazer esse mapeamento manualmente com a ajuda de outros internautas e ciclistas; hoje o CicloviasLX continua a permitir que qualquer pessoa submeta informação sobre as ciclovias e não só (como parques de bicicletas), mas a maioria dos dados provém de fontes oficiais, como é o caso das informações sobre a GIRA. Francisco nota uma maior utilização do site, fruto de existirem “cada vez mais pessoas a utilizar a bicicleta como meio de transporte na cidade”. “Tenho também andado mais activo nas redes sociais nos últimos tempos, o que ajuda a que mais pessoas tenham contacto com o site”, acrescenta.

A primeira versão do site CicloviasLX

“Fico muito contente por saber que o site tem sido útil a milhares de pessoas nos últimos anos”, diz, reconhecendo que existem muitos melhoramentos a fazer. “Há já bastante tempo que quero fazer uma remodelação que passa por escrever o site todo de raiz, de forma a torná-lo mais funcional para quem o visita em dispositivos móveis”, explica. Também falta permitir a identificação de ciclovias unidireccionais – algo que não existia até há muito pouco tempo em Lisboa –, bem como melhorar a apresentação dos pontos de interesse úteis a quem se desloca de bicicleta. “Infelizmente, entre um trabalho a tempo inteiro e outros projectos pessoais, não tenho tido tempo. Seria também muito interessante conseguir disponibilizar dados de outras redes de bicicletas partilhadas, como por exemplo as da MobiCascais”, acrescenta.

Período promocional constantemente alargado

Apesar de não existir informação sobre o rácio de bicicletas eléctricas versus o de bicicleta convencionais, têm sido as primeiras a necessitar de mais manutenção, conforme foi possível notar pela menor disponibilidade durante os períodos críticos de Abril e Junho. Não é de estranhar, pois a EMEL já disse que as eléctricas têm sido as mais utilizadas, até porque não existem diferenças no preço das viagens. O tarifário oficial diz que cada viagem custa 10 cêntimos numa bicicleta clássica e 20 cêntimos de eléctrica por um período de 45 minutos (a que acresce a compra de um passe mensal ou anual), mas essa tabela de valores não tem sido aplicada com o contínuo alargamento do chamado período promocional.

Neste momento, como as viagens não se pagam, um assinante da GIRA pode pegar numa bicicleta quando quiser e não existe qualquer diferença entre ser uma eléctrica ou uma convencional a não uma questão de conforto. Assim, o alargamento do período promocional pode levar à deterioração do serviço e a eventuais maus usos. No grupo de Facebook surgem com alguma frequência relatos de cestos quebrados, guiadores partidos ou pedais desencaixados, de bicicletas usadas por duas pessoas (uma delas “à pendura”, forçando o equipamento) ou da utilização do serviço para distribuição de comida por pessoas ao serviço da UberEATS ou Glovo, o que não é permitido nos termos e condições.

Os cestos frontais quebrados foram, aliás, o motivo da manutenção já referida de Junho, tendo os mesmos sido removidos “temporariamente” para uma revisão do seu “design e robustez” no sentido de “implementar uma solução final, mais robusta”, conforme publicou o porta-voz João Pinheiro. Actualmente, existem várias bicicletas eléctricas em circulação sem cesto frontal, confirmando que foram estas os principais alvos da intervenção técnica. Segundo dados revelados sobre o mês de Junho, cada bicicleta é utilizada em média cinco vezes por dia pelos mais de 12 mil subscritores do passe anual, tendo sido feitas 440 mil viagens.

A GIRA é um serviço da EMEL, empresa pública da Câmara Municipal de Lisboa, sendo as docas e as bicicletas fornecidas pela Órbita, num contrato assinado em 2016 depois de concurso público no valor de mais de 23 milhões de euros e com duração de nove anos. O lançamento de um serviço de bicicletas partilhadas em Lisboa já anda a ser pensado desde, pelo menos, 2008 e dois anos depois existiam quatro empresas a disputar um concurso público, do qual saiu a JCDecaux. Contudo, o sistema de bicicletas partilhadas acabou por não avançar por alegada indisponibilidade financeira da autarquia em suportar as despesas anuais no valor de 3,5 milhões de euros; em 2015, foi lançado outro concurso público, desta feita pela EMEL, que foi anulado e relançado um ano depois. Ganhou a Órbita.

A primeira fase da GIRA contempla 140 estações e 1410 bicicletas e a sua conclusão já teve já várias datas de conclusão entre 2017 e este ano. Uma das últimas datas avançadas foi o final de Março, a outra o final de Maio, agora é final de Setembro. Neste momento, existem menos de 500 bicicletas disponíveis e 74 estações. Ou seja, estamos a 35% e 53% da capacidade total anunciada. 

O Shifter tentou, a partir de 12 de Julho, sucessivos contactos junto da EMEL para esclarecer algumas questões levantadas ao longo deste artigo, mas sem sucesso até à data e hora de publicação do mesmo. Publicaremos a resposta da empresa se ela nos chegar entretanto.