Como atingir a concentração máxima num mundo cheio de distracções

Descobre o conceito de concentração máxima, apresentado no livro Deep Work, do professor norte-americano Cal Newport.

Foto de Jefferson Santos via Unsplash

“Uma das capacidades mais importantes do ser humano está a tornar-se cada vez mais rara. Quem souber dominá-la conseguirá alcançar resultados extraordinários.” – Cal Newport

Venho falar-vos sobre o conceito de concentração máxima, apresentado no livro Deep Work, do professor norte-americano Cal Newport. A ideia não é resumir o livro, mas, sim, dar a conhecer algumas das ideias nele apresentadas e que tanto podem ajudar quem estiver disposto a ouvi-las.

Mas, antes de mais… o que é isto da concentração máxima?

A concentração máxima acontece quando te encontras num estado de foco tão elevado em que, naquele momento, apenas existem tu e o teu projecto. Na prática, isto significa que as ideias e os pensamentos vão atingir um nível mais profundo e que vais usar 100% das tuas capacidades cognitivas para o trabalho em questão; no entanto, apesar de o conceito parecer simples, é necessária prática e uma grande força de vontade – estado alcançável por poucos.

Pensa comigo… Quando foi a última vez que te envolveste num projecto durante horas sem responder a um email, abrir o Facebook ou ir “apenas um pouco” à internet? A verdade é que para a grande maioria é difícil recordar tais tempos, se é que alguma vez existiram.

Todas estas distracções parecem inofensivas, mas sempre que as utilizas estás a desviar o foco do que realmente importa e quando voltares ao trabalho vais estar num nível de concentração inferior aquele que estavas anteriormente.

Foto de Annie Spratt via Unsplash

O poder da concentração na economia actual

Produzir conteúdo num estado de concentração máxima é cada vez mais valioso, porque tem vindo a tornar-se cada vez mais raro. Com a rapidez com que os conteúdos hoje em dia são criados, apenas os que realmente são bons vão durar mais do que alguns meses, dias ou horas. E, por esse motivo, é cada vez mais importante pensares em produzir em termos de qualidade em vez de quantidade – pensa no teu último tweet e quanto tempo terá demorado para a mensagem ser esquecida.

Actualmente, é espectável que respondas rapidamente aos e-mails, que trabalhes em constante interacção e que tenhas uma vida social activa. Exemplos disto são empresas gigantes como o New York Times, que pede aos seus redactores para terem uma presença no Twitter, ou o Facebook, que criou espaços abertos de trabalho que promovem o contacto humano. Não querendo questionar estas políticas, merecem pelo menos uma reflexão sobre os efeitos produtivos que delas resultam, uma vez que dificultam ainda mais a existência momentos longos de trabalho num estado de concentração máxima.

3 estratégias práticas para aumentares a tua concentração máxima

Planeia os teus períodos de distracção: isto significa que, em vez de permitires a distracção entrar na tua vida a qualquer momento, vais ter um período próprio de pausas para isso mesmo. O conceito é simples, não deixes a tua mente e as tuas acções irem “para onde o vento sopra no momento”.

Cria um ritual de concentração máxima: todos somos diferentes – cada um de nós tem os seus próprios ritmos e, portanto, momentos específicos do dia em que é mais produtivo. Torna-se mais fácil entrar no estado de concentração máxima tendo uma rotina criada, que deverá ser livre de distracções e proporcional ambientes em que consigas atingir níveis elevados de concentração. E lembra-te que o mais importante quando queres criar uma nova rotina é a consistência.

Foto de Drew Coffman via Unsplash

Aprende a desligar-te: para poderes, todos os dias, entrar num estado de concentração máxima tens de estar na tua melhor forma e, como tal, dormir bem. Assim, ao final de um dia de trabalho desliga-te dos problemas, do que te perturba e relaxa. Aprende a viver sem pensar no trabalho a partir de certas horas, e o resultado vai ser uma mente mais clara e focada no dia seguinte. Se ajudar, escreve mesmo o que tens para fazer no dia seguinte e grita “ACABOU O DIA!!!”, para que o teu cérebro perceba que a partir desse momento já não são bem-vindos pensamentos relacionados com o trabalho.

Considerações finais

Nem todos temos a possibilidade de trabalhar num mundo sem distracções, mas a realidade é que o valor de conseguir trabalhar num estado de foco pleno é, cada vez mais, uma raridade no mundo actual e a tendência só tende a crescer. Por isso, quando aplicados, estas ideias de que te falei podem tornar uma mais valia e ajudar-te a sobressaíres e na sua área. Numa economia de conhecimento como aquela em que vivemos hoje, todas as ferramentas para potencializar a nossa produção são bem-vindas.

Se quiseres saber mais ao pormenor o que é concentração máxima, recomendo a leitura do livro que deu origem a este artigo: Deep Work, de Cal Newport.

Texto de Marco Cotas, revisto por Mário Rui André