As voltas que uma notícia falsa dá na imprensa portuguesa

Um "estudo" do Observador Cetelem foi publicado no Público e desmentido no Público. Mas, apesar disso, espalhou-se por toda a comunicação social portuguesa com a ajuda da Lusa. Bem-vindo ao mundo da pós-verdade.

Foto de Redd Angelo via Unsplash

Quando o assunto mete um “estudo”, há que ter sempre um pé atrás. Na verdade, modificando uma variável aqui ou omitindo um factor ali, é possível chegar a determinadas conclusões, aquelas que interessam a determinada empresa ou sector. E nós vivemos num mundo de interesses.

O jornalismo e os jornalistas gostam de estudos. Publicado pelo Observador Cetelem – uma empresa de estudos de mercado que tudo tem a ver com a empresa de crédito Cetelem (mas nada a ver com o jornal Observador) –, um inquérito sobre manuais escolares rapidamente foi resumido pela jornalista Clara Viana no Público. Para quem não se lembra, Clara Viana foi quem, há dois anos, acompanhou no mesmo jornal a questão do financiamento de colégios privados por parte do Estado, publicando um conjunto de artigos enviesados e capazes de envergonhar qualquer publicação de referência. Em linhas gerais, o “estudo” (sim, é melhor usar aspas) do Observador Cetelem dava conta que só 8% das 600 famílias inquiridas manifestaram vontade de ter acesso aos manuais gratuitos que estão a ser disponibilizados pelo Ministério da Educação.

A “notícia” (também com aspas) de Carla Viana no dia 20 de Agosto Público foi seguida, quatro dias depois, por um artigo de opinião de Bárbara Reis, directora do Público antes de David Dinis. O misterioso interesse do Cetelem pelos manuais escolares é o título do texto, que começa assim: “O que explica o interesse tão especial que o Observador Cetelem tem pelos livros escolares? E porque é que os seus inquéritos concluem que os portugueses ‘preferem’ comprar manuais.”

No fundo, a ex-directora do Público aponta falhas no inquérito conduzido pelo Observador Cetelem, desde perguntas mal formuladas/enviesadas a uma amostra insuficiente/tendenciosa. “São poucas as instituições que conseguem passar com tanta eficácia uma imagem tão distorcida sobre os manuais escolares, sob uma capa tão falsamente desinteressada e há tantos anos seguidos. Se houvesse um concurso, o Cetelem ganhava”, escreve Bárbara Reis, explicando ainda que, em 2017, o Cetelem “emprestou 1536 milhões de euros e é algures neste bolo que estão as campanhas de empréstimo que faz para a compra de… exacto: manuais escolares”.

“Este ano, o Cetelem tem pelo menos duas campanhas de crédito para compra de manuais em parceria com a Wook, a plataforma digital de venda de livros que pertence à Porto Editora, que por sua vez é ‘dona’ de uma fatia gigante do mercado dos manuais”, acrescenta ainda.

O “estudo” do Observador Cetelem poderia ter ficado por aqui no que toca a cobertura mediática… não fosse a agência noticiosa Lusa ter pegado nele e difundindo-o, sem referir ou ter em conta o contraponto de Bárbara Reis. Como acontece com qualquer assunto em que a Lusa pegue, ele é rapidamente espalhado por todos os órgãos de comunicação social, que copiam e colam cegamente o take da agência nas respectivas edições online. É assim que funciona: se a Lusa fala, todos falam. Para o bem (assuntos importantes a que os media sem a Lusa não chegariam) e para o mal.

No dia 29 de Agosto, esta quarta-feira, a conclusão do Observador Cetelem aparece na Sábado, na SIC Notícias, no Jornal de Notícias, no Expresso e no Correio da Manhã, entre outros que recorrentemente publicam conteúdo da Lusa. O utilizador do Twitter @paravertudo levanta algumas preocupações sobre este assunto, numa thread publicada esta quinta-feira. “Para estes [órgãos de comunicação social], a Lusa não carece de contraditório, muito menos, verificação. Eis a maravilha deste novo mundo, das notícias falsas baseadas em factos construídos”, tweetou. “Para uma mentira, uma falsidade ter sucesso em Portugal, bastará a Lusa entrar em jogo e espalhar-la.”

Interesses, como dizíamos no início do texto, há muitos. E num jornalismo viciado, há que desconfiar do que nos é dito, do que é publicado. Até porque não há informação gratuita.