EUA estudam fim dos resultados trimestrais das empresas

Trump pediu ao regulador dos mercados norte-americano para avaliar a possibilidade de as empresas poderem reportar as suas contas numa base semestral. União Europeia fez essa mudança em 2013.

Foto via Unsplash
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Quem está atento ao mundo tecnológico já terá reparado que empresas como o Facebook, o Netflix ou a Apple fazem uma actualização dos seus números a cada três meses. Essa comunicação é dirigida sobretudo a investidores mas também motivo de notícia na imprensa, seja porque determinado objectivo não foi atingido ou porque há uma nova tendência a confirmar-se.

As empresas norte-americanas cotadas em bolsa – como é o caso das três supra referidas – são obrigadas pelo regulador, o Securities and Exchange Commission (SEC), a apresentar resultados trimestrais. E é por isso que existe divulgação de relatórios a cada três meses. Contudo, tal cenário pode vir a mudar, uma vez que os EUA vão estudar o fim dessa obrigatoriedade e a possibilidade de as empresas poderem reportar as suas contas numa base semestral.

Num tweet publicado esta sexta-feira, 17 de Agosto, Donald Trump escreveu que perguntou a alguns dos líderes empresariais o que poderia ser feito para melhorar o mercado de trabalho nos EUA, a que um deles terá sugerido: “Acabe-se com os relatórios trimestrais e mude-se para um sistema semestral”, segundo cita Trump. O Presidente norte-americano refere que “isso permitiria uma maior flexibilidade e pouparia dinheiro” e pediu à SEC para avaliar a eventual mudança.

A União Europeia eliminou a obrigação de as empresas cotadas em bolsa apresentarem resultados trimestrais em 2013, tendo adoptado o modelo semestral. Os resultados trimestrais existem nos EUA desde a Grande Depressão, ou seja, desde 1929.

Musk considera retirar Tesla da bolsa

O tweet de Trump surge dias depois de Elon Musk ter agitado o Twitter e o mundo dos negócios com um anúncio: o CEO da Tesla disse estar a considerar retirar a empresa – a fabricante automóvel mais valiosa dos EUA – da bolsa, onde está cotada desde 2010. “Ser pública (…) sujeita-nos a um ciclo de resultados trimestrais que coloca uma enorme pressão na Tesla para tomar decisões que podem ser certas para um determinado trimestre, mas não necessariamente corretas para o longo prazo”, explicou Musk aos funcionários, conforme escreve o The Guardian.

Elon Musk não é a única voz que se levantou recentemente contra os resultados trimestrais. Também Jamie Dimon, dono da JP Morgan e Warren Buffett, o investidor mais rico do mundo, defenderam a mudança para uma lógica semestral, argumentando que a velha tradição de Wall Street distrai as empresas da sua estratégia e objectivos de longo prazo.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.