As fotografias do Instagram estão a ficar todas iguais e esta conta mostra como

Criada por uma artista e filmmaker do Alasca, a conta @insta_repeat chegou para mostrar os padrões de fotografia que se vão repetindo na rede social.

O Instagram chegou e com ele, mais do que uma nova aplicação para comunicar, ganhámos um novo hábito: fotografar aquilo de que gostamos mais fazendo dessa a nossa forma de expressão preferida para uma série de situações e momentos.

Essa tendência foi-se implementando, ganhando escala e sobretudo tracção e o Instagram tornou-se uma rede social de excelência para entusiastas da fotografia, profissionais e amadores divulgarem as suas criações e diversificarem os seus públicos. Fotógrafos profissionais credibilizam e publicitam o seu trabalho acumulando centenas de milhares de seguidores, amadores tornam-se profissionais à medida que a sua visão vai gerando follows.

Até aqui tudo normal. O problema, se é que lhe podemos chamar um problema, é quando todo este circuito se torna num sistema, por falta de espírito crítico dos algoritmos, demasiado repetitivo e cada vez menos original. É isso que nos mostra a conta @insta_repeat.

Criada por uma artista e filmmaker do Alasca que se prefere manter no anonimato, a conta @insta_repeat chegou ao instagram para mostrar os padrões de fotografia que se vão repetindo entre os milhões que são carregados para a gigante rede social, estabelecendo assim uma crítica à originalidade na criação.

Neste ensaio visual em permanente actualização, a responsável pela curadoria da conta foca-se nas fotografias mais cliché que costumam fazer mais sucesso, mostrando como vários artistas, fotógrafos ou entusiastas recorrem a fórmulas visuais para conquistar a popularidade na plataforma.

Como a própria disse numa entrevista ao blog Photo Shelter foi o facto de viver numa localidade turística e de ver muitas vezes a mesma imagem carregada para a rede que lhe foi dando motivação para a ideia. O clique final para a sua execução deu-se pelo abuso de fotografias de pessoas no extremo de canoas, apesar da autora confessar ela própria ter um registo nesta pose.

Full disclosure: I have been photographed in a canoe and I have made photographs in a canoe… We all have things in our pasts that we are not proud of.

Person centered rowing in canoe 🛶🛶PT. IV #canoesofinstagram

A post shared by Insta Repeat (@insta_repeat) on

Na galeria de Instagram é notório que a base de seleção de fotografias para o @insta_repeat recai sobretudo sobre os Estados Unidos da América e no estado do Alasca, com o gelo e os lagos a serem protagonistas, mas num scroll rápido é fácil identificar algumas tendências que se tornaram globais. Os pontos de fuga nas estradas para nenhures, os pontões de madeira no meio de barragens paradisíacas, as tendas entreabertas para o nascer do sol ou os pés caídos para um penhasco são alguns exemplos já batidos por cá.

Consoante as localizações e o tipo de seguidores de cada é mais ou menos provável que este fenómeno se repita mas basta recordar as dezenas de imagens do topo da Serra da Arrábida no Verão, da Serra da Estrela no Inverno ou das mãos de namorados em todas as alturas do ano para percebermos que a tendência é real.

Como refere na entrevista a autora da conta, a sua intenção é sobretudo revelar estes padrões de utilização de Instagram geralmente acompanhados com hashtags como #liveauthentic ou #exploretocreate, algo que lhe parece irónico face a este recurso pouco original mas que acaba por ser valorizado pelos algoritmos do Instagram.