Jorge Gonçalves: “Não ter apoios económicos não é necessariamente mau”

Jorge é um dos fundadores e dinamizadores da Cooperativa Integral MINGA, que integra agricultores, artesãos, produtores e prestadores de serviços em Montemor-o-Novo.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Depois de concluir o doutoramento em Economia em Berlim, Jorge Gonçalves decidiu que ia compreender as dinâmicas e os processos reais e concretos que afectam o interior de Portugal.

“Não se pode ajudar, o desenvolvimento territorial não é ajudar”.

Jorge é um dos fundadores e dinamizadores da Cooperativa Integral MINGA, que integra agricultores, artesãos, produtores e prestadores de serviços em Montemor-o-Novo, e que pretende atacar os vícios e as dinâmicas de monopólio de mercado e de exclusão social que afectam os pequenos e médios produtores e que por inevitável consequência estrangulam as pequenas economias locais e rurais.

A lógica cooperativista apresenta soluções que se tornam difíceis de contrariar num projecto que ao fim de cinco anos teima em produzir conhecimento, alternativas, e novos desafios aos seus membros, com ideias e propostas que já chegaram à Assembleia da República.

Entrevista e vídeo de António Castelo

(Nota: este conteúdo foi originalmente publicado n’Qi News, produtora de conteúdos factuais focada numa população saturada de desinformação que busca activamente conteúdos fiáveis e de qualidade nas plataformas digitais, tendo sido aqui reproduzido com a devida autorização.)

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!