O incrível drama de Nela García. Ou uma história sobre a Internet

Durante uma semana, milhares de internautas navegaram pelo Twitter em busca de provas sobre este mistério digital e sobre quem seriam realmente os #redmonkey.

Foto de Nela García (@nelagarnela) via Twitter

Tudo começou a 16 de Agosto quando Nela, uma jovem internauta espanhola, encontrou um telemóvel perdido nas ruas de Madrid e tentou encontrar a dona do mesmo. Até aqui a história poderia parecer normalíssima, mas às 9h58 (hora espanhola) do dia 20 de Agosto, a jovem chega a uma terrível conclusão: a suposta dona deste smartphone morreu há 8 anos atrás.

Este foi o princípio de uma aventura de cinco dias que envolveu de tudo desde códigos secretos e criptografia, a múltiplos raptos, voyeurismos, edifícios abandonados e uma organização de hackers que parecia saída de um episódio de Mr. Robot (o que dado o resultado desta história não seria disparatado).

Poderíamos contar toda a história, mas o mais emocionante é começarem pelo 1º tweet do thread e apenas seguir este drama do princípio ao fim, vão ver que vale a pena.

Cinco dias postos, chegamos a 25 de Agosto e ao desafio final de Nela, aquele que a levaria a conhecer cara-a-cara os Red Monkey, uma organização de hackers com um só objectivo: limpar as redes sociais do mundo, e mostrar quão dependentes dos nossos dados estão as grandes corporações.

Por esta altura já toda a Internet sentia o buzz. Desde memes a retweets, hipóteses e teorias, o mundo do Twitter e da Internet em geral debatia-se sobre a veracidade daquela história, com muitos a apontar a mesma como uma campanha de marketing, talvez até ao Samsung Galaxy S9 (o telemóvel encontrado por Nela).

Às 21h13 desse mesmo dia 25 é publicado o tweet que marca o arranque do último capítulo desta história: “Nela es nuestra. Por fin volveremos al origen. Vamos a ser libres. #RedMonkey”… E fez-se o silêncio digital.

Só por volta das 12 horas do dia seguinte Nela voltaria a controlar o seu Twitter. Ali nos contava como se juntou aos Red Monkey e como se juntou à causa do grupo, a luta por uma Internet melhor, mais sã e consciente. Para isso, às 20:18 desse dia 26 de Agosto, os Red Monkey prometiam um apagão digital: uma limpeza a todas as bases de dados das plataformas de redes sociais, cumprindo a missão deste grupo de nos libertar das grandes corporações e nos devolver o controlo dos nossos dados.

E eis que, à hora marcada – no mesmo website em que, em contagem decrescente, Nela tinha superado alguns dos desafios – se revela a verdade final sobre toda esta história: “#RedMonkey. Uma história escrita e realizada por @ManuelBartual y @modesto_garcia”, lia-se no tweet.

Todo este drama foi em si mesmo uma história, sem outros objectivos como a promoção de uma série ou filme, como muitos viriam a sugerir. Um conto narrado ao vivo no Twitter e vivido, ao segundo, por milhares nesse mundo que é a Internet.

Os autores desta verdadeira odisseia no Twitter foram Manuel Bartual, um cartoonista de Valência com 39 anos, e Modesto Garcia. O primeiro tinha já efectuado uma façanha semelhante no Twitter em 2017, contando a história de um homem, igual a si mesmo, que o seguia durante as suas férias e que mais tarde se tornou num livro. O segundo esteve envolvido na resolução de um assassinato, também através do Twitter.

Re-inventar narrativas digitais

Segundo os mesmos, esta história levou dois meses a ser construída no Twitter e, para que tudo fosse perfeito, recorreram a tudo desde a criação em photoshop de Nela García, à aquisição de uma conta de Twitter fidedigna, criada em 2012, até à manipulação de vídeos para que a personagem de Nela e o seu ambiente ganhassem outra vida. Podem ver todo o making of aqui.

Contas feitas, o conto de Nela García e dos Red Monkey foi um sucesso viral com 300 milhões de impressões, compostos por tweets, retweets, memes, notícias na imprensa e muito mais. Esta foi uma história que nos levou até a ver como há espaço para re-inventar narrativas digitais, que novos formatos podem ser utilizados e que qualquer história, desde que bem contada, pode cativar multidões.

Mas acima de tudo, esta foi uma história sobre como nós nos relacionamos com a Internet e de como nem tudo o que por aqui se publica é realidade.

Muitas foram as pessoas que se envolveram nesta trama, com algumas até a saírem à rua em busca de pistas, a telefonar para números desconhecidos ou a tentar descodificar os códigos que Nela ia publicando no seu feed. O buzz ultrapassou o estatuto de virtual e levou a que a comunidade de internautas duvidasse de si mesma, criando a dúvida sobre a ameaça do apagão digital.

Talvez devamos rever esta história de vez em quando para nos re-lembrarmos de que a Internet é um novo universo e que, tal como na história de Ready Player One, este mundo é um “oasis”, onde todos podemos ser quem quisermos e esconder a nossa identidade por detrás de uma máscara digital.

Talvez devamos seguir a sugestão de Nela, que começou esta história com o seu primeiro tweet, e com a mesma terminou: “Borrón y cuenta nueva. Lo necessitamos.” Fica a ideia.

Texto de Bruno Figueiredo