Previsões apontam para mais calor, muito calor, nos próximos anos

Investigadores dizem que de 2018 a 2022 vai ser "anormalmente quente". Esperam-se temperaturas elevadas no planeta Terra, tanto fora do mar como dentro dele.

Foto de Tadeusz Lakota via Unsplash
 

Em Portugal, Julho foi bastante frio e Agosto começou com uma onda de calor pouco usual – os termómetros superaram os 40º C de norte a sul. Se por cá foi assim, noutras partes do mundo também não tem sido um Verão típico. Especialistas têm vindo a avisar que este será “o novo normal”, fruto das alterações climáticas. As secas e ondas de calor já têm sido mais frequentes e intensas ao longo dos últimos anos, confirmando-se as previsões feitas no passado.

E os cálculos não indicam melhor ou um regresso à normalidade para o futuro. Até 2022 espera-se um clima “anormalmente quente” com uma maior probabilidade de temperaturas extremas na superfície e nos oceanos. O alerta é dado na revista científica Nature e assinado por Florian Sévellec e Sybren S. Drijfhout, da Universidade de Southampton, no Reino Unido.

“Num clima em mudança, há uma necessidade social cada vez maior por previsões interanuais precisas e fidedignas”, lê-se na investigação publicada.

A Terra está a aquecer, mas isso não significa que cada ano seja mais quente que o anterior. A tendência é temporalmente mais ampla: a década seguinte tende a ser mais quente que a anterior, mas existem variações anuais no que toca à temperatura global, que são importantes para actuar perante “precipitações extremas, secas severas ou actividade de furacões intensa, por exemplo”.

Os cientistas concluíram que a Terra vai aquecer mais além do que se prevê que seja provocado pelo aquecimento global, causado pelo homem. A sustentar essas previsões estão factores naturais, como a oscilação dos oceanos, que constituem aquilo que é conhecido como “variabilidade interna” e que fazem variar a temperatura global de ano para ano. Por exemplo, durante o conhecido “hiato” do aquecimento global, que ocorreu na primeira década deste século, estes factores naturais ajudaram a manter a Terra mais fresca do que, de outra forma, estaria. Agora, essas mesmas variáveis podem fazer o oposto, refere esta investigação.

 

Os investigadores dizem que há uma uma probabilidade de 64% para a atmosfera e de 74% para o oceano para que fiquem anormalmente quentes entre 2018 e 2022. As altas temperaturas previstas resultam também de uma baixa probabilidade de episódios de frio intenso. Para estas conclusões, foram usados dados de 10 modelos de alterações climáticas já existentes e métodos estatísticos. Esta metodologia de previsão utilizada por Florian e Sybren pode decorrer num computador portátil e os resultados chegam em pouco tempo; não são necessários supercomputadores como nos modelos de simulação climática tradicionais.

Os últimos três anos foram os mais quentes desde que as temperaturas começaram a ser registadas. Apesar do Acordo do Clima de Paris, assinado em 2015 e no qual quase todos os países mundiais se comprometeram em manter o aumento da temperatura média global abaixo dos 2º C em relação à era pré-industrial, o planeta caminha em direcção a um aumento global da temperatura de 3° C. Apesar do impacto que a supra referida “variabilidade interna” pode ter na temperatura da Terra, esse é apenas um factor que, combinado com o das alterações climáticas, pode pintar um cenário negro daqui para adiante. Estaremos cá para ver.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.