150 figuras da arte internacional enviam carta aberta à Presidente de Serralves

Wolfgang Tillmans, Tania Bruguera e Stuart Comer entre as assinaturas.

Exposição de Robert Mapplethorpe no Museu Serralves (Jorge Félix Cardoso / Shifter)

O assunto ainda promete dar que falar pois os seus contornos ainda levantam dúvidas sobre as motivações e as razões que precipitaram a saída de João Ribas, curador, do cargo que havia ocupado há cerca de 8 meses como Director Artístico do Museu Serralves. Não obstante, a comunidade artística internacional já dá mostras da sua reacção ao sucedido e segundo noticia a The Art Newspaper, 150 personalidades do mundo das artes, nacional e internacional, enviaram uma carta aberta a Ana Pinho, Presidente da Fundação Serralves.

Na carta, os artistas começam por revelar a sua intenção geral de condenar o acto da administração por alegadamente ter tirado 20 das obras escolhidas para exposição — algo que já foi rebatido pela Administração do museu — e por ter ordenado a exposição de algumas das peças em salas especiais de acesso restrito — nuance confirmada por todas as instâncias.

Os signatários do documento repudiam qualquer tentativa de limitação da exposição de Mapplethorpe, relembrando o papel central e de alcance político que o trabalho do fotógrafo tem e teve na cultura sobretudo norte-americana, onde servia de pretexto aos políticos conservadores para pedir restrições de apoio a arte érotica.

Na carta diz-se ainda que o mais chocante é que se invoque a classificação de “pornografia” presente na lei portuguesa para restringir a obra de um artista que se tornou “canónico” no panorâma histórico da arte ocidental. Na mesma passagem referem a importância de se continuar a discutir as barreiras entre arte e erotismo mas rematam dizendo que essa não deve ser uma questão para a administração de um museu.

A carta conta ainda com um ponto sobre a ascensão da extrema-direita no mundo e uma nota de pesar por Serralves se ter, no entedimento dos signatários, aliado a valores conservadores e puritanos contrastantes com a imagem pública da instituição.

Entre as mais de 150 pessoas signatárias encontramos nomes da cena internacional artística como Wolfgang Tillmans, Tania Bruguera, Stuart Comer, artísticas nacionais e internacionais, curadores de diversos museus sobretudo europeus e até académicos europeus e norte-americanos. Numa lista sobretudo composta por portugueses acabam por se destacar as altas figuras da arte internacional que conferem ao assunto uma escala ainda mais global. Ainda assim da comitiva portuguesa nota para a presença de investigadores das mais variadas escolas, da FCT à Católica e artistas de diversas valências.

O documento bem como o seus subscritores encontram-se aqui.