A privacidade (também) somos nós

Ao fim de várias tentativas, erros, muitas leituras e reflexões, percebi que vivo entalada numa negociação contínua entre o meu direito à privacidade e o meu quotidiano enquanto cidadã de uma sociedade em rede. Vivemos todos.

direito à privacidade online
Foto de Slava Keyzman via Unsplash

Imagina que, do outro lado do teu computador, há alguém que sabe todos os sites que visitas, sabe a frequência com que procuras por aquele par de ténis que andas a namorar há meses e, mesmo sem perceber parte delas, está presente em todas as conversas que tens com amigos e família online. Essa pessoa sabe onde vives, onde estudas e trabalhas, segue-te nos teus percursos diários e sabe sempre onde estás. Apesar de ter todas estas informações, diz que a única razão pela qual as colecciona é para te vender publicidade. Bem-vindo à internet em 2018.

Redes sociais, ISPs, agências de inteligência… são quase incontáveis os organismos que monitorizam a nossa actividade na rede de forma sistemática; cada um com motivações distintas. O aviso não é de hoje. Pessoalmente, há cerca de dez anos que comecei a ter (algumas) preocupações com a (falta de) privacidade que a internet imprimiu nos nossos dias. A privacidade é um direito, e é sobretudo uma necessidade. No âmago de cada um de nós, há inquietações, fragilidades e dissonâncias que dificilmente partilharíamos até com quem nos é mais chegado. Curiosidades, também. Mostravas o teu histórico de navegação ou de pesquisa a um desconhecido? Sim, modo incógnito incluído.

Há dez anos, matei o Windows pela primeira vez e instalei o Ubuntu

Atordoada pela minha falta de conhecimento técnico, o meu objectivo tem sido encontrar formas de me proteger que não exijam um curso de engenharia. Ao fim de várias tentativas, erros, muitas leituras e reflexões, percebi que vivo entalada numa negociação contínua entre o meu direito à privacidade e o meu quotidiano enquanto cidadã de uma sociedade em rede. Vivemos todos.

O nosso leque de opções é, ainda, predominantemente uma questão de privilégio e oportunidade. Por exemplo, quantos de nós têm 529 euros para dar assim de uma vez só por um Fairphone 2? Ou os conhecimentos técnicos necessários para pô-lo a funcionar com um sistema operativo menos invasivo que o Android? Melhor ainda: quantos de nós têm tempo (e paciência) para ler os infindáveis e hiper complexos termos, condições e políticas de privacidade das dezenas de sites que visitamos todos os dias?

Há dois anos que não uso Google Chrome

Sabendo que a nossa liberdade é igualmente limitada pela liberdade dos outros, é certo que parte das nossas escolhas será invariavelmente aquilo que os que estão à nossa volta preferem. Isto significa que deixar de usar software como o Messenger ou o WhatsApp poderá não ser tão simples quanto parece. Entre família, amigos e outros entraves, como compromissos profissionais, aquilo que usamos é largamente determinado pelo ambiente em que nos inserimos. Claro que nos podemos recusar a usar isto ou aquilo, mas a batalha é muitas vezes inglória, na medida em que tende a trazer mais atrito do que facilidades aos nossos dias. Em todo o caso, mudar de navegador de internet é um passo que não depende de terceiros e pode ter mais importância do que julgamos. Do Firefox ao Tor, passando por outros como o Brave ou o Vivaldi, há por aí imensas opções muito mais saudáveis para a privacidade de cada um.

Há um ano que praticamente só uso o Qwant para pesquisas online

Num mundo ideal, acho que gostava de largar definitivamente gigantes tecnológicas sem grandes preocupações pelo direito à privacidade dos cidadãos. Google e Facebook são os nomes mais óbvios, pela sua omnipresença – os últimos 12 anos da minha vida estão naquele email, as recordações de quase todos os momentos mais (e também os menos) importantes dos meus dias desde 2009 estão na rede social mais conhecida do mundo. Inclui fotografias, posts e quase todo o tipo de interacções sociais – ex-namorados, amigos que se perderam com o tempo, empregos e moradas que se mudaram, conversas marotas, telhados de vidro.

Há um mês, desinstalei o Facebook do telefone

A jornada tem tido os seus altos e baixos. No início, foi estranho. Nos últimos tempos, já não usava o Facebook para muito, mas a lista de eventos dava-me bastante jeito. Mais que não fosse para perceber o que se passa em Lisboa para lá da minha bolha e, claro, como agenda de aniversários. Cada dia sem o scroll pelo Facebook no bolso parece gradualmente menos desperdiçado. Mudei-me para o Twitter para perceber o que interessa ler, uso o Feedly para seguir sites que me despertam maior interesse e tem resultado. Se já tinha pouco FOMO, notificações silenciadas, regras apertadas sobre a minha utilização de computador depois do jantar e ter sido emigrante ajudam mais do que se possa pensar – agora, então, sinto-me muito mais livre. Ainda uso o computador para passear pelo Facebook. Contudo, tirar a aplicação do telefone teve um impacto muito mais intenso do que esperava. Sobretudo, numa altura em que fui de férias. Já de regresso, como o meu emprego não me exige grande trabalho online, chego mesmo a jejuar no que toca à maior parte das redes sociais. Felizmente, no meio de tudo isto, o Instagram aborrece-me e nem Stories costumo ver.

Sei que ainda que estou longe de apagar as minhas contas, mas a dependência sente-se cada vez menor. Quanto à privacidade online, estou a anos-luz de navegar anónima, mas há algum conforto em saber que uma larga fatia da minha pegada digital que está a deixar de passar pelo Facebook ou pela Google. Há um lado da internet que já percebeu que não precisa de catalogar informação sobre tudo o que eu faço, ou sobre tudo o que tu fazes, para funcionar bem e para facilitar as nossas vidas. A internet pode ser saudável e passear por aqui pode (e deve) ser uma experiência privada. Pelo menos, um pouco mais do que é hoje. Enquanto as empresas têm livre trânsito para recolher e arquivar os nossos passos pela internet (*), o caminho rumo a uma existência digital mais privada começa no software que escolhemos e nos comportamentos que adoptamos. A privacidade também somos nós.

(*) ainda que haja (regras) para isso…

Texto de Rute Correia