Feira do Livro regressa ao Porto com homenagem a José Mário Branco

Feira decorre de 7 a 23 de Setembro nos Jardins do Palácio de Cristal.

A Feira do Livro do Porto abre já esta sexta-feira, dia 7, e estende-se até dia 23 de Setembro, nos Jardins do Palácio de Cristal. Damos-te a conhecer algumas das actividades que a feira tem para oferecer, destacando principalmente a homenagem e conversa com o músico português José Mário Branco.

Foi apresentada a semana passada, em conferência de imprensa a programação da edição de 2018 da Feira do Livro do Porto, ao qual podes ter acesso através do site especial da Câmara Municipal do Porto (CMP) ou do Jornal da Feira do Livro, disponível em PDF e também em formato físico nos próprios dias da feira. A Feira do Livro é uma iniciativa de entrada livre, promovida pela CMP, e apresenta-se com uma programação de “matriz revolucionária”, segundo o Presidente da autarquia, Rui Moreira.

Revolucionária pois estabelece como objectivo “propor um olhar mais íntimo sobre a importância da literatura no universo da arte e, especialmente, da música”. É desta intenção que surge a vontade de homenagear o cantor José Mário Branco, cantor de Abril, no ano em que celebra 50 anos de carreira. De acordo com a organização, o cantor foi escolhido por “ser um dos nomes mais importantes da música portuguesa do século XX e, dado a natureza revolucionária e de intervenção da sua música, um dos nomes mais relevantes da literatura nacional das últimas décadas”. O facto de ter vivido grande parte da sua vida na cidade do Porto também influenciou a escolha.

Dessa forma, será logo no sábado (dia 8) às 18 horas, que o autor se disponibiliza a ter uma conversa com a moderadora Anabela Mota Ribeiro, com o tema “No Princípio Era A Canção”, propondo-se a percorrer conversa abertamente a sua carreira, a ligação entre a música e a poesia, e ainda, a liberdade pela qual tanto lutou e as revoluções das quais fez parte.

Outros autores presentes na Feira serão Mia Couto e Afonso Cruz (no domingo 9, com a moderação de José Eduardo Agualusa); Kalaf Epalanga e Telma Tvon, num debate intitulado de “Vozes Negras, Ou Livros Que Nascem De Canções”; e Leila Slimani, numa conversa sobre o seu mais recente livro, Canção Doce.

Além dos livros

Haverão ainda sessões de spoken word, nas quais o ponto de partida será a relação entre a palavra escrita e cantada, e o modo como isso foi trabalhado por autores como Chico Buarque, Leonard Cohen, Bob Dylan (o primeiro músico a ser honrado com o Nobel da Literatura), entre outros. Podemos contar com a interpretação de figuras representativas do Porto como Capicua, André Tentugal e Miguel Januário (±MaisMenos±).

Outras actividades incluem lições sobre autores clássicos como Dante, Cervantes, Shakespeare, Goethe, Flaubert, Fernando Pessoa, Tchekov, entre outros; exibição de filmes de carácter revolucionário (Blackboard Jungle, Wanda, Mauvais Sang e Ata- me); actividades e ateliers estimulantes para crianças e adultos; e ainda, concertos organizados pela associação Porta-Jazz.

Nesta quarta edição, mantêm-se a mesma dimensão de espaço e tipologia de oferta, com uma diversidade literária distribuída por 130 stands.

Texto de Inês Devezas