Do jazz ao punk: a noite foi das mulheres

Apesar do destaque das mulheres no título, talvez a melhor forma de enquadrar este dia fosse usar a expressão igualdade de género.

Apesar do destaque das mulheres no título talvez a melhor forma de enquadrar este dia fosse usar a expressão igualdade de género. Sim, é verdade que elas tiveram em destaque no line-up do 3º dia de Milhões de Festa, mas é seguro dizer que nem toda a gente se apercebeu disso. A alta qualidade e a frescura dos projectos eram pontos em comum suficientes para nem se pensar em questões de género – até porque a tarde começou por Gonçalo, nome bem masculino.

Gonçalo serviu de som de fundo à gravação do nosso primeiro podcast e à volta para a piscina já era Natalie Sharp aos comandos. Acompanhada por bailarinas, todas de cara pintada de azul e com fatos indescritíveis (fotos abaixo) apresentou BodyVice, um espéctaculo que começou num sintetizador e acabou com as artistas às voltas na piscina. Seguiu-se Afrodeustche já com o sol a pôr-se e a ameaça de chuva a lembrar que as batidas continuariam noite dentro.

Já no recinto a noite começou com a belga WWWater, uma pequena boa surpresa protagonizado por Charlotte Adigéry e o seu soul com diversas passagens dançáveis. Pelas 22 horas, esperava-se Gazelle Twin. Com um fato completo, com franjas esvoaçantes em cada um dos braços, e uma flauta veio em versão Pastoral. O concerto no Milhões calhou em fase de transição, a 12 dias da saída do seu novo disco e deu para e viajar entre os registos. Na senda das mulheres e depois da loucura de Gazelle Twin, a mulher que se seguia era igualmente imperdível.

Nubya Garcia é um dos nomes a causar sencação na cena jazz londrina e passou pelo Milhões para apresentar 5ive e uma banda de excelência de onde se destaca Joe Armon-Jones nas teclas. Foi um concerto e uma boa demo de jazz para os presentes. Houve tempo para as músicas gravadas e editadas e espaço para improvisações a solo e em banda o que acrescentou ao concerto.

   

Depois de Nubya, era preciso energizar o ambiente e para isso vieram as BALA, dupla da Corunha com um punk potentíssimo. Se o Palco Lovers se compôs para as ver, o Palco Milhões tinha pela primeira vez pessoas coladas às ecrãs à espera dos próximos a subir – os Electric Wizard. A banda com estatuto firmado regressou ao Milhões e trouxe consigo uma verdadeira legião de fãs que com certeza não ficaram desiludidos com o concerto.

A noite continuou com outro clássico do festival, The Bug na companhia de Miss Red – mais uma mulher –, dois espéctaculos num só com a entrada da MC israelita a marcar a diferença e a aumentar o nível do espéctaculo. O dia terminou com DJ PayPal.