As trotinetas estão a chegar a Lisboa para fazer companhia às bicicletas

A Lime está a expandir-se para Lisboa e terá a companhia de uma start-up local, a Iomo.

A start-up Iomo vai disponibilizar 50 trotinetes em Lisboa (foto via Iomo/DR)

Lisboa é tradicionalmente uma cidade de carros. Já múltiplas vezes ouvimos falar dos 370 mil automóveis que entram diariamente na capital, provenientes dos arredores. Esses fluxos derivam de décadas de investimento em infra-estrutura automóvel, que começaram no Estado Novo por obra do engenheiro Duarte Pacheco e prosseguiram nos anos seguintes com o desenho de largas vias, rodeadas por múltiplos lugares de estacionamento. O transporte público não sofreu o mesmo tratamento prioritário, nem existiu sequer um planeamento urbanístico que previsse os trajectos que no dia-a-dia dezenas de milhares de pessoas iriam fazer, desenhando uma oferta de autocarro, metro, comboio e barco que respondesse em consonância de forma eficiente e integrada.

A mobilidade é um aspecto central de qualquer cidade e não pode ser entendida sem as restantes dimensões que compõem os grandes centros urbanos. O automóvel é, na óptica dos especialistas do ramo, uma forma pouco eficiente para nos movermos dentro de uma metrópole. Na verdade, a maior parte dos veículos circula com apenas um ou dois lugares ocupados e permanece parada a maior parte do dia. Há, assim, espaço para a mobilidade partilhada, para tornar os transportes públicos responderem aos fluxos previsíveis das pessoas e para as chamadas formas suaves de transporte.

No fundo, passa por readaptar as cidades dos carros para aquilo que elas deveriam ter sido sempre: planeadas em torno das pessoas. Diversas metrópoles por todo o mundo têm apresentado projectos que privilegiam as deslocações a pé, de bicicleta ou de transporte público. Praças e ruas outrora dominadas pelo automóvel têm vindo a ser reconvertidas em espaços calmos para as pessoas. E a infra-estrutura ciclável tem vindo a ser construída também, provando-se que, quando tal acontece, as bicicletas aparecem. Em Lisboa, a Câmara Municipal tem um plano em curso para criar 200 km cicláveis até 2020; e o sistema de bicicletas partilhado GIRA tem, mesmo com todos os seus problemas, contribuído para o aumento do número destes veículos de duas rodas em circulação nas ciclovias da capital, especialmente na da Avenida da República.

Numa altura em que as pessoas (peões e automobilistas) ainda se estão a habituar às bicicletas na cidade, Lisboa prepara-se para acolher uma nova forma de mobilidade suave: trotinetas.

As trotinetas da Lime são um sucesso já fora e vão chegar a Lisboa (foto via Lime/DR)

Da Califórnia para o mundo

Em apenas um ano, as trotinentes eléctricas tornaram-se um frenesim em várias cidades do mundo, numa história que tem por detrás sobretudo duas empresas: a Bird e a Lime. A primeira tornou-se a start-up mais rápida a chegar aos 2 mil milhões de dólares de valorização, escreve o The Verge. Tendo arrancado em Setembro de 2017 em Santa Monica, na Califórnia, opera agora em mais de 100 cidades e pode apresentar o número redondo de mais de 10 milhões de viagens realizadas num ano. Já a Lime, que começou uns meses antes da Bird em São Francisco, também na Califórnia, demorou um ano a somar 6 milhões de viagens e apenas dois a duplicar esse número, escreve o The Verge. Também já está disponível em mais de uma centena de cidades e, tal como a Bird, prossegue a sua expansão geográfica.

Uma expansão onde nem tudo são rosas, claro. Conflitos surgiram com a chegada das trotinetas eléctricas em algumas cidades, por um lado, devido ao facto de por vezes a regulação não acompanhar a tecnologia, estabelecendo balizas e enquadrando as novas formas de mobilidade; por outro, devido ao desconhecimento das pessoas das regras e particularidades deste novo meio de transporte, que é especialmente popular entre jovens adultos. Em França, o Governo quer legislar para que as trotinentes não possam andar nos passeios, apenas na estrada e em ciclovias. Em São Francisco, o município começou por banir todos os sistemas de partilha de trotinetas que invadiram a cidade e decidiu depois regular o mercado, autorizando a operação de um número limitado de empresas na cidade. Como escreveu a revista Wired num artigo em Abril: “À medida que são invadidas por trotinetas partilhadas, as cidades devem decidir onde pertence cada veículo”.

Bird e Lime têm também de enfrentar a concorrência das inúmeras empresas que, localmente, vão surgindo; bem como a força das grandes tecnológicas ligadas à mobilidade. Recentemente, a Uber anunciou intenções de investir em bicicletas e trotinetas. Um mercado no qual a Lyft, o principal concorrente desta, já entrou, com o lançamento das Lyft Scooters em Denver, no Colorado, e em Santa Monica, na Califórnia. Enquanto que a Bird está de olho numa expansão europeia, a Lime prepara-se para chegar em breve a Lisboa. E terá companhia de uma start-up local, a Iomo.

É assim que se resolve o problema das segundas-feiras 🛴💨-Kicking the Monday blues.

تم النشر بواسطة ‏‎iomo‎‏ في الإثنين، ٢٤ سبتمبر ٢٠١٨

Iomo, as primeiras trotinetas partilhadas em Lisboa

Uma start-up lisboeta chamada Iomo prevê lançar um serviço de trotinetas eléctricas e partilhadas na capital portuguesa no início de Outubro. Está prevista uma frota inicial de 50 veículos; até Janeiro, contam ter 200 trotinetas na rua e quintuplicar esse número até ao final de 2019, lançando-se também em mais quatro cidades portugueses além de Lisboa.

Para já, a Iomo tem estado na rua, nomeadamente no Parque das Nações e no Saldanha, para recolher feedback das pessoas; e prevê fazer acções também na Cidade Universitária, no Cais do Sodré, em Cascais e do lado de lá do Tejo.

As trotinetas da Iomo (foto via Iomo/DR)

As trotinetas da Iomo serão eléctricas, conseguem atingir uma velocidade máxima de 20km/h e a bateria tem autonomia de 2 horas. De acordo com esta start-up, as Iomo permitem andar seis vezes mais rápido do que a caminhar, permitindo percorrer um quilómetro em 3-4 minutos. O acesso ao serviço é feito através de uma app móvel que mostra, num mapa, todos os locais onde existem trotinetas (dado que não têm docas como as GIRA, elas vão estar espalhadas pela cidade). Basta seleccionar uma, reservar, fazer a viagem e, no fim, deixar a trotineta novamente em segurança e num local adequado.

As Iomo só poderão ser usadas por maiores de 18 anos. O preço das viagens ainda não está completamente definido mas a start-up aponta para 0,15 euros/minuto.

Norte-americana Lime expande-se para Lisboa

A capital servirá de porta de entrada para a Lime em Portugal, que já tem na mira outras cidades. Inicialmente vão ser disponibilizadas 400 trotinetas eléctricas, que poderão ser utilizadas através de uma app no smartphone. O processo é idêntico ao da Iomo. As trotinetas podem, do mesmo modo, ser largadas em qualquer lado, mas existirão 90 pontos fixos espalhados pela cidade e que servirão de estações. Apenas as zonas históricas de Lisboa são interditas ao estacionamento das trotineta.

As viagens terão o custo de 1 euro de base + 0,15 euros/minuto. As trotinentes têm um autonomia para 40 quilómetros e permitem uma velocidade máxima de 25 quilómetros/hora. As viagens só podem ser feitas até às 21 horas, uma vez que à noite as trotinetas serão recolhidas para serem recarregadas. Esta recolha será feita pelos inscritos no programa Juicer: cerca de uma centena de pessoas será responsável por recolher um certo número de trotinetas, carregar as suas baterias e colocar os veículos de novo na rua, a troco de um pagamento por parte da empresa.

A Lime está a preparar o seu lançamento em Lisboa em diálogo com a Câmara Municipal. Por exemplo, para terminar a viagem, vai ser necessário tirar uma foto à trotineta Lime no seu destino, uma forma de a empresa salvaguardar eventuais conflitos com os outros agentes da cidade.

O modelo Lime S que vai chegar a Lisboa. Serão 200 para partilhar (foto via Lime/DR)

Descongestionar Lisboa

As trotinetas partilhadas, tal como as bicicletas da GIRA, podem ajudar a descongestionar a cidade de Lisboa. São ideias para distâncias curtas – por exemplo, entre casa e a estação de autocarro ou comboio e/ou entre o transporte público e o local de trabalho. Além de permitirem deslocações rápidas e baratas, são amigas do ambiente.

Neste momento, Lisboa atravessa uma fase de mudança no que toca à política de mobilidade. Há investimento em curso e previsto para o transporte público, nomeadamente o Metro e a Carris. Será lançado um concurso público no próximo ano para a partir de 2020 existir em toda a Área Metropolitana de Lisboa uma marca única e um único sistema de bilhética ao nível de autocarros, independentemente das empresas que operem o serviço em cada cidade. Ao mesmo tempo, scooters (eCooltra) e carros eléctricos (DriveNow, Emov…) têm vindo a preencher as ruas de Lisboa numa lógica de partilha. E o sistema GIRA terá, quando estiver concluída a 1ª fase, mais de 1400 bicicletas partilhas em diversos pontos da cidade.

Actualmente, a rapidez, o conforto, a ausência de ligação directa de transportes para o destino, a ausência de alternativa ou o custo das outras opções justificam, de acordo com inquérito à mobilidade feito em 2017 pelo INE, o cenário de 370 mil automóveis que entram todos os dias na capital e todos os outros que já estão na cidade e nela circulam.

Em Lisboa, as trotinetas eléctricas podem circular nas ciclovias e na estrada, apesar de esta última opção não ser recomendada em vias muito movimentadas por uma questão de segurança. Nos passeios não podem andar.