EMEL esclarece escassez de bicicletas GIRA

Apesar de a falta de bicicletas GIRA ser uma realidade desde meados de Agosto, só passados quase dois meses os assinantes puderam ter um esclarecimento.

Das 700 bicicletas que a Órbita já terá entregue à EMEL, apenas 350-400 estão na rua. Desde meados de Agosto que os utilizadores da GIRA têm vindo a queixar-se, no grupo oficial, de docas vazias e de uma fraca disponibilidade de bicicletas. Pediam esclarecimentos à EMEL, a empresa municipal responsável pela gestão do sistema de bicicletas partilhadas de Lisboa, mas esta nada esclarecia. O silêncio que já tínhamos visto antes mantinha-se.

Segundo dados da EMEL, recolhidos através de uma API oficial pelo site CicloviasLX, o número de bicicletas disponíveis no serviço GIRA tem-se mantido abaixo das 450 desde o início segunda quinzena de Agosto. E desde o final de Setembro contabilizam-se menos de 400 nas 74 estações instaladas. Ou seja, estão na rua apenas 50% das bicicletas que deveriam estar disponíveis.

Gráfico de Shifter, construído usando dados oficiais recolhidos pelo site CicloviasLX

Numa reportagem publicada durante o mês de Setembro no DN sobre a Órbita, empresa que fornece os equipamentos da GIRA, referia terem sido entregues à EMEL 700 bicicletas. Um número confirmado pela própria EMEL, um dia depois, num artigo do Expresso, e referido também por Miguel Gaspar, vereador de mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, em algumas intervenções públicas, como esta. Na peça do Expresso, de acesso pago, dizia-se também que “quase metade” das 700 bicicletas estavam “actualmente em manutenção”.

Todavia, nenhuma informação foi prestada, na altura, pela EMEL directamente aos mais de 16 mil assinantes anuais da GIRA através dos canais oficial (grupo de Facebook, app móvel, SMS…). O silêncio da empresa pública foi quebrado apenas na sexta-feira passada. Num comunicado partilhado no Facebook, a EMEL refere que a “diminuição da frota disponível” é responsabilidade da Órbita, que “não tem conseguido assegurar devidamente a reposição de bicicletas avariadas nem o fornecimento de novas bicicletas”.

A empresa afirma ainda que tem 11 estações prontas a abrir e 12 em vias de estarem disponíveis, o que permitirá, assim, consolidar a rede em 97 estações. De referir que para a 1ª fase da GIRA, que deveria ter sido concluída até final de 2017, estavam previstas 140 estações e 1410 bicicletas. Ou seja, actualmente o serviço está 50% concluído em termos de estações e tem apenas 25% das bicicletas previstas.

“O sistema voltará a expandir-se assim que a Órbita garanta a capacidade de implementação e operação do sistema”, acrescenta a EMEL, referindo que “para não penalizar ainda mais os utilizadores” decidiu prolongar o tarifário promocional em vigor (oferta das viagens) até 31 de Dezembro. Contactada pelo Shifter, a Órbita respondeu ao comunicado da EMEL, referindo que, “não concordando com o que foi dito, acredita que não é este o momento para tornar pública a sua posição, pelo que oportunamente a comunicará”.

Actualizado às 11h30 de 9/10/2018: adicionada a resposta da Órbita.