Web Summit fica em Lisboa por mais 10 anos. Tudo o que precisas de saber

Evento fica na capital portuguesa até 2028.

Foto de Web Summit via Flickr

Foi pela mão do anterior Governo que o Web Summit, um dos maiores eventos de tecnologia a decorrer na Europa, se fixou em Lisboa por três anos. Três anos, três edições: 2016, 2017 e 2018, havendo possibilidade de o Web Summit permanecer na capital portuguesa por mais tempo. Este ano, a organização avaliou as propostas de várias cidades e decidiu Lisboa em detrimento de Berlim e das cidades espanholas Valência e Madrid. Londres e Dubai também estiveram na corrida.

Segundo o acordo inicial, o prolongamento da estadia do Web Summit em Lisboa podia acontecer por mais dois anos, ou seja, até 2020, mas as negociações entre o actual executivo de António Costa, a Câmara Municipal de Lisboa e a organização do evento resultaram numa extensão por uma década, isto é, até 2028. O Web Summit foi criado em 2009 pelo irlandês Paddy Cosgrave na sua cidade-Natal e a capital portuguesa foi, em 2016, a primeira cidade estrangeira a acolher a conferência, que além de oradores ligados ao mundo da tecnologia e do empreendedorismo, conta com uma feira de start-ups e outras iniciativas.

110 milhões de euros

O negócio entre o Governo português e o Web Summit custará ao estado 110 milhões de euros para a realização do evento em Lisboa nos próximos 10 anos (serão 11 milhões por ano), existindo uma espécie de cláusula de rescisão de 3 mil milhões de euros a ser paga caso o Web Summit queira sair antecipadamente da capital portuguesa. Os 3 mil milhões são o valor que se espera que o evento tenha de impacto na economia local.

Do acordo faz também parte a duplicação do espaço para a realização do Web Summit – até 2022 – com vista a responder ao contínuo e rápido crescimento do evento. A primeira fase de expansão começará nos próximos meses e deverá estar concluída até ao início da edição de 2019. Nas duas fases seguintes, prevê-se que a dimensão do espaço do evento duplique a dimensão actual. Tendo em conta este acordo de longa duração, o Web Summit prevê também aumentar o seu escritório de Lisboa com 100 novas contratações.

Através do Turismo de Lisboa, o Turismo de Portugal e a AICEP, o Governo português investiu ao longo dos últimos três anos um total de 3,9 milhões de euros no Web Summit, isto é, 1,3 milhões por ano. O evento teve, de acordo com estimativas oficiais, um impacto de 300 milhões de euros por ano na economia de Lisboa e do país. Na edição de 2018, que se realiza de 5 a 8 de Novembro na Altice Arena e na FIL, são esperadas mais de 70 mil pessoas de 170 países. Em 2017, os números da organização dão conta de cerca de 60 mil participantes, 1200 oradores, 2 mil start-ups 1400 investidores e 2500 jornalistas e bloggers acreditados.

No Twitter, Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, escreveu: “O acordo com o Web Summit contribuirá para tornar Lisboa numa das capitais da inovação e do empreendedorismo. Estou certo que os próximos anos trarão uma subida acentuada no investimento em TI e emprego. Estamos entusiasmados por continuar a escrever esta história com o Web Summit.”