Cell Broadcast ou SMS? Uma discussão necessária em Portugal

Portugal terá de ter, como todos os outros Estados-membro da União Europeia, um sistema de alerta à população em caso de situações de emergência. Mas qual?

Foto de Max Larochelle via Unsplash

Recentemente, no dia 14 de Novembro, o Parlamento Europeu aprovou a obrigatoriedade de todos os Estados-membro da União Europeia disponibilizarem um sistema de alerta à população em caso de situações de emergência.

A legislação europeia não determina que sistema deve ser usado para distribuir os alertas: se o sofisticado Cell Broadcast, se o tradicional SMS. Caberá a cada país decidir o tipo de tecnologia a utilizar. Portugal ainda não terá definido o melhor sistema; actualmente a Protecção Civil está autorizada a enviar alertas por SMS e apenas em caso de incêndios, sendo que está prevista a aprovação de um decreto-lei que permita não só Proteção Civil mas também às Câmaras Municipais o envio de SMS em caso de risco para a saúde pública, de acidentes graves ou de catástrofes naturais.

Pelo mundo, são vários os países que implementaram sistemas de Cell Broadcast, dos Estados Unidos ao Chile, do Japão à Holanda, da Lituânia às Filipinas… Outros Estados optaram por implementar sistemas de alerta recorrendo a mensagens SMS; é o caso da Austrália ou da Bélgica.

As vantagens e desvantagens dos dois sistemas

Para uma comunicação rápida e eficaz com a população e visitantes, a melhor solução é o Cell Broadcast, que funciona nas redes 2G, 3G e 4G, estando padronizado também para o 5G. O tempo decorrido desde o envio do alerta por parte das entidades para uma ou mais áreas geográficas definidas e a recepção dessa mensagem acontece em sensivelmente de 4 segundos, independentemente do telemóvel que a pessoa esteja a usar.

Exemplo de uma mensagem Cell Broadcast (screenshot via Wikimedia)

As mensagens enviadas recorrendo ao Cell Broadcast não sofrem atrasos na entrega, mesmo havendo saturação nos serviços de dados e voz em determinada zona. Pode, assim, ser enviado um alerta para milhares de utilizadores sem que haja degradação no serviço. No caso dos SMS, o envio em massa de milhares de mensagens pode originar atrasos na entrega que podem ser de três horas ou até mais após o envio. Esta situação aconteceu recentemente nas Filipinas, onde, aquando de uma emergência, existiu um delay substancial entre quem recebe alertas por SMS e quem recebe por Cell Broadcast.

Com a padronização do Cell Broadcast, os alertas podem ser recebidos em qualquer país que tenha adoptado este sistema; ou seja, se viajarmos até à Holanda ou EUA e existir um envio de um alerta, este será entregue no nosso equipamento.

Os alertas de Cell Broadcast podem ser segmentados por área geográfica, uma tarefa que compete às entidades que fazem o envio; a mensagem é apresentada no ecrã do equipamento, seguido de vibração, alerta sonoro e leitura por voz. A mensagem poderá estar escrita em mais que uma língua. No Canadá, por exemplo, os alertas são enviados em francês e inglês.

Na Roménia e na Holanda, é permitida a configuração de canais Cell Broadcast manualmente nos equipamentos mais antigos, para que os utilizadores possam receber os alertas. Em Portugal, apenas a operadora móvel MEO possui o Cell Broadcast activo em toda a sua rede 2G; assim, clientes e visitantes que possuam um equipamento configurado no Canal 50 podem receber informação do indicativo e região onde se encontram no momento – por exemplo, “21 Lisboa”.

As mensagens de Cell Broadcast funcionam como as emissões das estações de rádio AM ou FM, isto é, qualquer utilizador que esteja na área geográfica definida para o envio e recepção do alerta recebe as mensagens de forma anónima; o operador não tem conhecimento de quem recebeu as mensagens.

Nos telemóveis é possível desactivar a recepção de mensagens de Cell Broadcast nos equipamentos; contudo, há países, como os Estados Unidos, Canadá e Nova Zelândia, onde tal desactivação não é permitido por decisão do Governo.

Principais desvantagens do sistema Cell Broadcast

  • O investimento inicial;
  • A compatibilidade dos equipamentos existentes no mercado: por exemplo, no caso dos iPhones teria que ser necessário pedir à Apple uma actualização de software e nos restantes equipamentos seria necessário uma configuração manual por parte dos utilizadores.

Uma grande vantagem do SMS em relação ao Cell Broadcast é que todos os equipamentos suportam a recepção de SMS, ou seja, numa fase inicial permitiria chegar a quase 100% dos utilizadores.

Principais desvantagens do sistema SMS

  • Atraso nas mensagens que podem levar horas a chegar aos utilizadores.Para além do exemplo das Filipinas, também em Portugal assistimos a atrasos na entrega das SMS, porque estão sempre dependentes de vários factores como a capacidade e saturação da rede em determinados locais.
  • Não é possível realizar sair dos alertas.
  • É possível serem enviadas SMS falsas em nome de uma entidade, correndo o risco de se criar o pânico na população.
  • Questões de privacidade: há uma base de dados LBS com o registo das localizações dos assinantes e visitantes.

Um possível obstáculo à implementação do Cell Broadcast em Portugal para um sistema de alerta à população poderá ser o factor financeiro. Os SMS estão amplamente disseminados, no Cell Broadcast teria que existir investimento. Por parte das operadoras móveis não existe um modelo de negócio em que exista retorno financeiro com o Cell Broadcast. Em todos os países onde este sistema foi implementado teve que existir uma decisão política e investimento por parte do Governo.

Características SMS Cell Broadcast
Tipo de transmissão Mensagens enviadas point-to-point Mensagens enviadas one-to-may
Dependência do número de telemóvel SIM – Requer a manutenção de uma base de dados com os números de telefone registados na rede NÃO – Não requer a manutenção de uma base de dados com os números registados na rede
Sujeito a congestionamento de rede Sujeito a atrasos ou falhas na entrega quando enviado um número elevado de SMS As mensagens são enviadas em canais dedicados, não sofrendo atrasos na entrega quando a rede móvel se encontra congestionada
Repetição Sem repetição As mensagens podem ser transmitidas e repetidas num intervalo de tempo entre 2 segundos e 32 minutos
Tamanho da mensagem 140 a 160 caracteres. No máximo 5 mensagens podem ser concatenadas 93 caracteres. No máximo 15 páginas podem ser concatenadas
Tipo de mensagem Mensagens estáticas são enviadas a todos os números registados na rede Mensagens personalizadas podem ser enviadas para diferentes áreas geográficas, para reflectir diferentes estados de alerta ou perigos
Notificação e apresentação da mensagem A recepção e apresentação da mensagem será igual ao de uma SMS com o tipo de toque personalizado pelo utilizador É apresentada uma mensagem no ecrã acompanhada por um sinal sonoro, vibração e leitura de voz
Compatibilidade Compatível com todos os equipamentos comercializados Compatível com a maioria dos equipamentos comercializados, poderá requerer a configuração manual ou uma actualização de software por parte do fabricante. A apresentação do Menu de Configuração poderá ser diferente entre equipamentos
Recepção A mensagem é recebida assim que o equipamento se registe na rede Nenhuma mensagem é recebida se durante a transmissão o equipamento estiver desligado. Quando ligado se ainda houver transmissão de mensagens as mesmas serão recebidas
Confirmação de entrega SIM – O remetente poderá requerer a confirmação de entrega NÃO – Não é possível a confirmação da entrega das mensagens
Selecção de língua NÃO – Idêntica para todos os destinatários SIM – As mensagens podem ser transmitidas em várias línguas, sendo possível o receptor escolher a língua desejada
Segurança e integridade da mensagem FRACA – a mensagem pode ser forjada por terceiros FORTE – Apenas a operadora pode transmitir as mensagens
Roaming Visitante depende da rede doméstica para o encaminhamento das mensagens Mensagem entregue em todos os equipamentos que se encontrem registados numa determinada célula

O que é um sistema de Cell Broadcast?

Um sistema de Cell Broadcast System consiste em um Cell Broadcast Center (CBC) localizado na rede de um operador móvel. Poderá existir um ou mais que um Cell Broadcast Entities (CBE), dependente do número de entidades a gerar mensagens. Os CBEs estão disponíveis em diferentes tipos e podem ser fornecidos como um terminal simples ou como uma aplicação. Seja qual for a configuração escolhida pelas entidades, a complexidade do serviço da rede móvel permanece oculta pelo CBC, tornando o serviço de Cell Broadcast simples de usar.

Por meio do CBE, as entidades apenas criam uma mensagem e seleccionam o local ou os locais para os quais pretendem enviá-la, usando uma interface de utilizador intuitiva. A mensagem é, então, enviada para o CBC que mapeia a área de destino para as células da rede móvel. Subsequentemente, o CBC envia a mensagem aos elementos de rede de acesso de rádio requeridos que gerenciam a transmissão da mensagem nas células da área geográfica escolhida.

Conclusões

Com a aprovação do Parlamento Europeu da obrigatoriedade de todos os Estados-membro da União Europeia disponibilizarem um sistema de alerta à população, está na altura de se promover uma discussão aberta e não somente técnica sobre que solução adoptar em Portugal.

Entre o Cell Broadcast e o SMS, o melhor sistema deverá ser aquele que mais rapidamente faça chegar os alertas ao maior número de pessoas nas áreas afectadas, evitando-se perdas humanas e materiais. Algumas questões que podem ser pertinentes para esta discussão:

  • Quais são as entidades que estão a ser consultadas no sentido de termos uma legislação que sirva os cidadãos?
  • Quais são as tecnologias de comunicação móvel a serem consideradas para informar a população?
  • Como o tema é complexo, quais são as iniciativas adicionais previstas para assegurar uma discussão que envolva todos os cidadãos?

(Nota: este texto foi originalmente publicado no VOST Portugal, comunidade de voluntários digitais em situações de emergência, tendo sido aqui reproduzido com a devida autorização e com algumas alterações de estilo.)