A NRA disse-lhes para não se meterem. Os médicos responderam: #thisismylane

A NRA, associação pro-armas, tentou atacar os médicos que defendem maior regulação. O ataque fez ricochete e os médicos mostraram como a regulação das armas é também um assunto deles.

A história conta-se depressa. Já há alguns meses que a comunidade médica americana tem vindo a manifestar-se contra a regulação do porte e uso de armas de fogo. A cada massacre – e são muitos, os que acontecem nos EUA – a comunidade médica manifesta-se contra a facilidade com que se consegue uma arma de fogo, fazendo campanha por uma regulação mais apertada. Dizem eles, e bem, que a violência armada é um problema de saúde pública.

No dia 7 de Novembro, a National Rifle Association (NRA), líder “política” do movimento pelo direito à posse e uso das armas de fogo, tweetou para a comunidade médica:

“Alguém devia dizer aos médicos anti-armas presunçosos para não se meterem no assunto (“stay in their lane”) Metade dos artigos no Annals of Internal Medicine [revista científica] advogam regulação para as armas de fogo. O mais preocupante, contudo, é que a comunidade médica parece não ter consultado NINGUÉM para além deles próprios.”

– NRA via Twitter

Por vezes, a nossa resposta aos problemas só os agrava. Foi isso mesmo que aconteceu à NRA, que, nos últimos dias, tem estado debaixo de fogo intenso (pun intended). Relatos de emergências médicas causadas por armas de fogo têm inundado as redes, com epicentro no Twitter. Os médicos responderam com um #thisismylane, ou seja, uma forma de mostrar claramente que este é um assunto deles. A violência com armas de fogo é um problema de saúde pública que tem recebido cada vez mais atenção nos EUA. Neste momento, mata mais de 33 mil pessoas por ano (dados de 2013).

Deixamos aqui uma selecção dos tweets de médicos, demais profissionais de saúde, e doentes, com o alerta de que alguns deles contêm imagens que podem impressionar.