App da ONU permite ajudar uma criança com fome com apenas 40 cêntimos

O que são 40 cêntimos? Menos um café? Menos uma cerveja? Menos um cigarro? Menos uma sobremesa?

Pode parecer um contra-senso: confortavelmente, no nosso telemóvel de 100 a 1000 euros, descarregamos uma app e através dela podemos com doações de 40 cêntimos alimentar uma criança durante um dia. Todavia, se a tecnologia móvel facilitou o acesso a serviços de mobilidade e revolucionou o modo como comunicamos uns com os outros, por exemplo, porque não pode também ajudar a tornar o mundo mais justo e igualitário?

150,8 milhões de crianças com menos de cinco anos são demasiado pequenas para a sua idade. 50,5 milhões não pesam o suficiente tendo em conta a sua altura. E, no chamado “mundo em desenvolvimento”, 66 milhões vão para a escola (primária) com fome – 23 milhões só em África. Isto são dados facultados pela ONU. Entretanto, no mundo que dizemos desenvolvido – o mundo europeu, o norte-americano… – temos apps como o Zomato ou o The Fork que nos permitem não só comer como comer bem, e se calhar fazê-lo num restaurante mais carote com um desconto. Porque não pegar nos 30%, 40% ou 50% a menos que pagámos por esse jantar e dá-los a quem sofre à fome?

Share The Meal é uma aplicação móvel da Organização das Nações Unidas (ONU), disponível para Android e iOS, que permite fazer doações entre 0,40 e 146,00 euros, consoante a disponibilidade financeira de cada utilizador e a sua vontade de ajudar a tornar o mundo um pouco melhor. Consoante o valor doado, podemos alimentar uma criança durante um dia, uma semana, um mês, um trimestre ou até um ano. Além de doações unitárias, é possível fazê-lo mensalmente, enviando entre 12 e 120 euros para partilhar uma refeição com entre uma e 10 crianças. Existem diferentes causas que é possível apoiar através da app – os valores e a mecânica são iguais independentemente se optamos por partilhar uma refeição nas escolas do Líbano ou escolhemos ajudar crianças Rohingya refugiadas.

Todos os contributos são processados pelo Programa Alimentar Mundial (WFP) da ONU, que é encarregue de os fazer chegar ao terreno e o utilizador pode acompanhar o impacto através da app. Os custos operacionais da iniciativa estão cobertos por uma bolsa de inovação do WFP. Este programa, cujo propósito é eliminar a fome no mundo, é 100% voluntário e financiado por governos, cidadãos e sector privado; por ano, o WFP chega a mais de 80 milhões de pessoas com ajuda alimentar em cerca de 80 países. Uma em cada nove pessoas no mundo passa fome – são 821 milhões de esfomeados. Multiplicando este número por 20 temos o número de pessoas com um smartphone a nível global.

Desde o lançamento do Share The Meal em 2015 já foram partilhadas para cima de 28 milhões de refeições. A aplicação conta com mais de um milhão de utilizadores.